Peritos dos países da Comunidade Económica da África Central (CEEAC) estão desde segunda-feira reunidos em Malabo, Guiné Equatorial, para  discutir o reforço da cooperação sub-regional no domínio da aviação civil.

O encontro, que decorre de 15 a 19 de Julho, enquadra-se no plano de transporte aéreo adoptado em Kinshasa/RDCongo, em 2009. No dia 19, sexta-feira, está agendada a reunião  dos Ministros Responsáveis pela Aviação Civil, onde, entre outros assuntos, serão propostos o  alinhamento do plano de transporte aéreo à política africana da aviação civil, adoptada na Conferência da União Africana dos Ministros Responsáveis pela Aviação Civil, que teve lugar em Novembro de 2011, em Luanda.

Assuntos como o melhoramento da segurança aeronáutica, segurança operacional, bem como a implicação da indústria aeronáutica na proteccção do meio ambiente fazem parte dos trabalhos.

Os peritos estão igualmente a analisar a possibilidade de abertura de uma missão da CEEAC junto da Organização Internacional da Aviação Civil (ICAO), com sede em Montreal, Canadá, segundo referiu o angolano Alberto Adiron, quadro sénior da política de transporte aéreo junto da União Africana.

O ponto mais alto do encontro será a Reunião dos Ministros Responsáveis pela Aviação Civil da Comunidade Económica dos Estados da África Central (CEEAC) que terá lugar nesta sexta feira, 19, no centro de Conferências Sipopo, em Malabo, subordinada ao lema “Para um transporte aéreo seguro, eficaz, regular e acessível na África central”.

O ministro dos Transportes, Augusto da Silva Tomás, é aguardado esta quinta-feira, 18, em Malabo, para participar no encontro que tem o apoio do Presidente da República da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang Nguema Mbasogo .

Participam no encontro de peritos, o director-geral do Instituto Nacional da Aviação Civil (INAVIC), Gaspar Santos, e os  directores do Gabinete de Intercâmbio Internacional do Ministério dos Transportes, César Ferreira, e da TAAG, Jacinto Júnior.

 

Fazem parte da CEEAC dez estados, nomeadamente Angola, Burundi,  Camarões, República Centro Africana,  Congo Brazavile, Congo RDC, Gabão, Guiné Equatorial, São Tomé e Princípe e Tchad.