No quadro do Programa nacional de Urbanismo e Habitação (PNUH) estão a ser implementados projectos em regime de parcerias público-privadas, incluindo espaços para equipamentos sociais e de serviços, baseados em modelos de casas com padrão económico pré-definidos e a realização em regime de custos controlados.
Segundo a ministra do Ordenamento do Território e Habitação, Ana Paula de Carvalho, que discursava na passada terça-feira, em Luanda,num workshop sob a governação inovadora, cidades abertas, a urbanização não pode ser “sinónimo” de degradação, mas sim uma forma de criar empregos, reduzir a pobreza e melhorar a qualidade de vida das populações.
Destacou que a nova agenda urbana é responsável pelo estabelecimento dos marcos das políticas que irão orientar a governação das cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilentes e sustentáveis.
“A nova agenda urbana contribui para a implementação local da agenda 2030, para o alcance do desenvolvimento sustentável de maneira integrada, e para a prossecução dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável e suas metas, realçando o ODS 11, de formas a tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilentes e sustentáveis”, disse.

Projectos em curso

Segundo afirmou, com o Pnuh o Governo está a mobilizar e fazer intervir as instituições públicas e os agentes privados afins, bem como a sociedade em geral, no sentido da participação activa e sustentada, na materialização das políticas e estratégias públicas, nos domínios do ordenamento do território, urbanismo e habitação, para contribuírem no esforço de redução gradual do enorme défice habitacional, almejando a justiça social e bem-estar dos angolanos.
No quadro das jornadas “Outubro Urbano”, em alusão ao 31 de Outubro, dia mundial das cidades, a ministra anunciou que até 2050, a população urbana mundial quase duplicará e a urbanização será uma das mais transformadoras tendências do século XXI.
“Num mundo onde mais de metade da população mundial já vive em áreas urbanas, o futuro da humanidade é claramente um futuro urbano”, revelou.

Efeméride

O dia mundial das cidades foi celebrado pela primeira vez em Xangai, na China, em 31 de Outubro de 2014, sob o lema “Liderando as transformações urbanas”.
O tema geral do dia mundial das cidades é “Cidades melhor, vida melhor”, e em cada ano é selebrado um sub-lema diferente, quer para promover os sucessos em termos de urbanização, ou para enfrentar desafios específicos resultantes da urbanização.
No ano passado, as Nações Unidas escolheram o tema “Cidades Inclusivas, desenvolvimento compartilhado”, para destacar o papel da urbanização como fonte de desenvolvimento global e inclusão social. AV