A província do Cuanza Sul dispõe a partir deste mês, de uma fábrica de confecção de calçado de diferentes modelos, para ambos os sexos, com capacidade para produzir entre 120 e 150 pares por dia.

Instalada na cidade do Sumbe, com vista a reduzir a importação deste bem essencial e criar novos postos de trabalho para a ocupação dos jovens, a fábrica comporta áreas de aquecimento e compressão, limagem das solas, brilho, empacotamento, colocação das solas e comercialização. O preço de cada unidade, oscila entre 1.000 e 5.000 kwanzas.

O empresário de nacionalidade portuguesa, António Valente, fez saber que o projecto iniciou em Setembro do ano transacto, com a instalação da infra-estrutura no bairro do Chingo, que contemplou a construção de um pavilhão seguida da montagem do equipamento e de outros componentes que possibilitaram o arranque dos trabalhos.

Fabrico
Actualmente , a unidade fabril está a confeccionar apenas calçado para senhoras, nomeadamente sandálias, socas, sabrinas, salto alto, entre outros modelos, utilizando pele de cor preta, branca, amarela, vermelha e azul.

António Valente, afirmou que o investimento empregue na montagem da fábrica, resultou das suas poupanças feitas ao longo do tempo, por isso, dispensou ajuda financeira de agências bancárias para a recepção de crédito.

António Valente, explicou que o equipamento e o material que se utiliza na fábrica são adquiridos em Portugal, tendo acrescentado que “ trata-se da primeira fábrica do género a funcionar no país”.

Revelou que a produção tem como destino alguns hipermercados da província de Luanda, encomendas das cadeias de lojas portuguesas e outros clientes particulares.

Metas
Das principais metas a atingir este ano consta a construção de um pavilhão mais espaçoso, cujo terreno já foi cedido pela administração municipal do Sumbe. O arranque das obras estão previstas para o mês de Agosto.

Depois de concluído o pavilhão, o número de trabalhadores aumentará dos actuais 16 para 120 a 140 funcionários, daí, se prevê elevar a produção diária de 600 a 800 pares de calçado por dia.

Segundo António Valente, a partir do mês de Abril, a fábrica lançará a primeira linha de sapatos para homens, para fazer face às inúmeras solicitações que se tem registado.

Primeiro emprego
Angelina Mateus Jamba, tem 24 anos de idade, ganhou o seu primeiro emprego na fábrica de calçados do Sumbe, onde trabalha na colagem das solas, actividade que aprendeu com o proprietário da fábrica.

Visivelmente satisfeita, disse que com o salário que aufere, sustenta os pais e irmãos enquanto o remanescente emprega nos estudos e para a indumentária. Angelina Mateus Jamba, afirmou que se sente à-vontade trabalhar no colectivo de jovens, também não está discriminada por exercer esta profissão.

Por seu turno, Gildo da Silva que também ganhou nesta fabrica o primeiro emprego, disse que com esta unidade fabril, vai se reduzir a importação de calçados. Sente-se satisfeito por estar empregado.