Mais de 200 mil hectares de terra estão reservados para o cultivo de arroz e algodão na província de Malanje, com vista o seu relançamento e revitalização, o que torna necessário a captação de investidores nacionais e estrangeiros, considerou o governador provincial de Malanje, Norberto dos Santos “Kwata Kanawa”.
Segundo o governante que falava, na semana passada, durante uma conferência de imprensa, que juntou vários órgãos de Comunicação Social, para abordar os problemas mais candentes da província, garantiu que, neste momento, existe um investidor que manifestou o interesse de produzir algodão no município do Quela.
“Kwata Kanawa” recordou que o cultivo do algodão tem igualmente tradição no município de Cacuso.
Na década de 80, o município de Cacuso, lembrou, deu “cartas” na produção do algodão, nas regiões do Suqueco, Catenda e Cambunze.

Cultivo de arroz

A produção de arroz que já começa a gerar expectativas tem fortes potencialidades a nível da região Songo, que compreende os municípios de Cambundi-Catembo, Luquembo e Quirima e vai gerar empregos.
Com as estradas totalmente reabilitadas e a electrificação nos próximos tempos da zona do Songo, disse, isto vai incentivar os investidores a desenvolver esta actividade com normalidade, contribuindo para o desenvolvimento da província.
O governo de Malanje, informou, tem estado a receber a solicitação de alguns investidores interessados na produção do algodão, sobretudo no Quela, estando apenas a aguardar que estes remetam a documentação ao governo para começarem com os trabalhos.
Norberto dos Santos “Kwata Kanawa” referiu ainda a extinção da Sociedade de Desenvolvimento do Pólo Agro-industrial de Capanda (SODEPAC), que abarca os municípios de Cacuso, Malanje e Cangandala, cuja actividade vai estar sob a égide do Ministério da Agricultura e Florestas que, por sua vez vai criar um pólo agrícola em Cacuso.

Mais dinamismo
O governante exige que quando for criada a nova entidade em substituição da Sodepac, a segunda figura da super-estrutura do projecto deve ser um quadro da província para um melhor acompanhamento do empreendimento.
De realçar que, estava previsto para finais de 2018, em Malanje, o início do projecto de uma indústria têxtil no Pólo Industrial de Malanje, no bairro do Kinguila.