Os elevados preços do cimento, nacional e importado, e outros materiais de construção nos estabelecimentos comerciais do município do Cuito (Bié) está a dificultar a edificação de obras residenciais de muitos cidadãos. Para constatar os actuais preços dos materiais de construção, em relação ao período anterior à implementação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA), o JE esteve em diversas lojas, para constatar a realidade dos materiais de construção nos estabelecimentos bem como no mercado paralelo do Tchissindo e Bairro Azul. O saco de cimento nacional e importado varia entre os dois mil a dois mil e duzentos kwanzas em diversas lojas de venda de materiais de construção, no Cuito. O preço dos varões varia entre 2.200 a 2.600 kwanzas, facto que deixa impossibilitado os cidadãos, que anteriormente chegaram a comprar o mesmo produto a 1.600. As chapas plásticas e de zinco estão no valor de 3.700 a 2.600 kwanzas, em diversos estabelecimentos comerciais da zona periférica e urbana do Cuito, contra os anteriores 1.500 a 1.800. Em relação aos restantes materiais utilizados para a construção de residências, como o carro de mão e a pá, estão a ser comercializados a 10 mil e a 2 mil kwanzas, cada. Os tubos PVC que anteriormente estavam no valor de 1.900 kwanzas (tamanhos 90 e 75), actualmente estão a 2.200. O sócio-gerente de uma das lojas de venda de materiais de construção, desde mosaicos, azulejos, cimento entre outros meios, Mafou Mamadou, de nacionalidade Maliana, esclareceu que o elevado preço está ligado com a escassez do dólar no mercado. Mafou Mamadou explicou que os materiais de construção são, na sua maioria importados e, os bancos não disponibilizam valores para aquisição dos mesmos no exterior. “O grande problema é que algumas vezes temos a conta em dólares, mas as agências bancárias não autorizam a sua retirada, mesmo em situações de comercialização de produtos no exterior”, sublinhou. O comerciante de nacionalidade maliana, declarou que os materiais têm custos de transportação porque após a sua comercialização no exterior, são depositados em alguns armazéns de Luanda para depois serem transportados para o Cuito. O sócio-gerente da loja de venda de materiais de construção, sublinhou que “o dólar está actualmente no valor de 73 mil kwanzas na rua que também está difícil conseguir e, dificulta manter o preço anterior dos produtos”, desabafou.