Na cerimónia de abertura, fazendo as honras da casa, a governadora do Huambo, Joana Lina Cândido, manifestou-se regozijada pelo facto da província ter sido escolhida para acolher, durante dois dias, o III conselho consultivo do Minoth, tendo traçado um quadro actual das aldeias.
“Sentimos dificuldades ao nível da nossa província para fazer chegar, a cada um dos populares, os meios básicos à sua sobrevivência, tendo em conta que as aldeias estão muito dispersas, a quilómetros de distância da sede do município, que tem dificuldades imensas nas redes várias secundárias e terciárias, o que torna a vida cada vez mais difícil”, disse.
Joana Lina Cândido considerou que o tema do III conselho consultivo se enquadra para o futuro, realçando que “a vida começa nos municípios”, pelo que se exigirá maior dinâmica dos quadros locais, em função da transferência de competências dos governos provinciais para as administrações municipais de modo a se “fazer chegar o desenvolvimento, aproveitando as potencialidades de cada comuna ou município”, em que a população é também chamada a ter uma palavra nas principais decisões que devem ser tomadas.
Sublinhou que o governo local está preocupado com o desenvolvimento das comunidades rurais e pensa que com a participação da sociedade civil desperta um sentido de priorização, com base nos anseios e perspectivas dos principais beneficiários.
Defendeu a necessidade de uma conjugação de sinergias entre os vários actores sociais e as estruturas afins, para que sejam alcançados, de forma satisfatória,os objectivos desejados.