A Empresa de Águas e Saneamento de Benguela (EASB) tem cadastrados cerca de 51 mil clientes.
Segundo o PCA da Easb, Jaime Alberto, o projecto das ligações domiciliares em Benguela está suspenso, tudo por causa da insuficiência na distribuição de água.
“Não estamos a fazer ligações nos bairros emergentes, porque não temos água para distribuir”, afirmou.

Ligações ilegais
De acordo com Jaime Alberto, o que existe em Benguela são ligações ilegais, em detrimento dos desvios em condutas.
Como justificação, de acordo o PCA da EASB, está o facto de num passado recente, a tarefa das ligações domiciliares terem sido adjudicadas a várias empresas privadas que rubricavam contrato com a empresa de Águas de Benguela.
Este procedimento permitiu uma falta de controlo da força de trabalho dessas empresas privadas, que não conheciam perfeitamente a rede de distribuição da Easb.
“O facto de não haver água em alguns bairros ou na periferia, está relacionado com a falta de investimentos adicionais”, justificou igualmente o PCA da Easb, Jaime Alberto.