Vinte e três das 41 empresas nacionais e estrangeiras do sector hídrico, que adquiriram os documentos de concurso, apresentaram propostas para a concepção e construção de obras estruturantes de combate à seca no sul do País. As soluções consistem na construção de um transvase a partir do rio Cunene, na sua bacia hidrográfica e na construção de duas barragens de terra, uma na localidade de Calucuve e outra na localidade de Ndúe, que estarão situadas na bacia hidrográfica do Cuvelai.
Manuel Quintino, que falava na sessão pública de abertura do concurso público, afirmou que as propostas serão submetidas a um processo de avaliação por uma comissão do Ministério da Energia e Águas (Minea), que visa aferir a qualificação destas empresas em todos os domínios.
A comissão, que tem um prazo de avaliação das propostas de 20 dias para a apresentação do relatório, prevê que até final de Maio tenha a apreciação do titular do Minea, assim como a homologação do Presidente da República.
No final deste processo serão seleccionadas as empresas a quem serão adjudicadas as obras das bacias do Cunene e do Cuvelai.
Com a construção do sistema de transferência de água a partir do rio Cunene, na localidade do Cafu para a zona das Oshanas, em Cuamato, e de Namacunde, e a construção da barragem 128 em Calucuve vai permitir a criação de uma reserva hídrica nas bacias do Cunene e atenuar os efeitos nefastos da seca.
Outros benefícios destas obras consiste em permitir que aquela localidade tenha água corrente para o consumo da população.