O governante teceu essas declarações durante o acto de consignação e lançamento da primeira pedra do programa de electrificação do Zaire, no município do Cuimba.

Avaliado em mais de 435 milhões de dólares financiadopelo Governo chinês , vai beneficiar mais de 72 mil famílias.
Explicou que o projecto vai dispor de instalação da linha de electricidade de alta tensão que vem da subestação de Mbanza Congo com a capacidade de 220/60 kv e uma outra de 60/15 kv para permitir o transporte de energia eléctrica às restantes sedes municipais.
Destacou que a região do Cuimba nunca teve energia da rede pública “há geradores a funcionar mas nem sempre consegue-se satisfazer as necessidades da população por avaria técnica e falta de combustível”, realçou.
“Estes projectos também têm outras vantagens que se traduzem na geração de empregos para os jovens quer na construção da rede eléctrica e nas subestações, além das pequenas e médias empresas que serão subcontratadas durante o periodo de execução”, disse.
No domínio das águas João Baptista Borges explicou que está em curso para a província do Zaire um importante programa inerente à reabilitação e ampliação dos sistemas de distribuição de água nas sedes municipais, na qual o município do Cuimba também está inserido.
Acrescentou que brevemente regressará àquela província para prestar mais informação e mostrar as acções do Executivo neste sector.

Crescimento

O governador provincial do Zaire, José Joanes André elogiou a iniciativa do projecto parabenizando a população pelo esforço do governo em garantir as reais necessidades que é a energia eléctrica e águas como sendo as bases fulcrais para o desenvolvimento de qualquer sociedade.
Segundo disse com a electrificação da província, o país cria para a região um clima de confiança e alegria, respondendo ao lema “o desenvolvimento do Zaire é uma certeza” o que permite alavancar a economia e deste modo continuar a referenciar o cumprimento das orientações do Chefe de Estado a estes dois importantes sectores.
Assinaram o contrato da empreitada o presidente do Conselho de Administração da Empresa Nacional de Electricidade (Ende), Francisco Talino e o representante da construtora chinesa TBEA, Song Hui, cujo prazo de execução é de 30 meses.

Compromisso

Por seu turno, o presidente da TBEA referiu que com este projecto fica a confiança e a responsabilidade em assumir mais um desafio “e tudo faremos para cumprir com as nossas obrigações construindo uma obra confiável, eficiente e inteligente junto de uma equipa experiente que congrega tecnologia especial, gestão profissional equipamentos e serviços avançados”, garantiu.
Song Hui destacou que a empresa que dirige vai continuar a contribuir com maior esforço no futuro de Angola, integrando activamente ao desenvolvimento cultural e económico e assim fortalecer a amizade tradicional sino-angola que estabelece um novo marco da cooperação económica e comercial.