O especialista e professor universitário, Domingos Isata, que lançou esta semana, no mercado angolano, um livro com o título “Arrendamento Urbano em Angola denúncia do arrendamento”, considera que o preço do arrendamento baixou consideravelmente, com o surgimento das várias centralidades que estão a ser implantadas um pouco por todas as província.
Contundo, defende que há incumprimento da Lei do Arrendamento, pelo facto de muitos senhorios efectuarem “despejos” ou aumentarem o preço no decurso do tempo acordado, sem a contrapartida do usuário.
A fonte, defende a actualização da Lei do Arrendamento face às irregularidades que se registam com muita notoriedade no mercado nacional.

Regulamentação
A Lei do Arrendamento entrou em vigor em Janeiro de 2016, e destaca que passa a ser obrigatório fixar o valor das rendas em kwanzas, bem como a proibição da antecipação da obrigação de pagamento das rendas superior a três meses.
Um outro destaque é o prazo aplicável aos contratos de arrendamento urbano que é de dois anos.