A Direcção Nacional de Aquicultura do Ministério das Pescas  tem a pretensão de incentivar a criação de peixes, em locais artificiais para facilitar o consumo das populações. Segundo uma fonte, estão em curso projectos em várias províncias que visam a implementação desta iniciativa que vai contribuir significativamente no desenvolvimento do sector.

Estratégias   
Recentemente, na capital angolana foi realizada a reunião da aquicultura que elaborou a estratégia de desenvolvimento da aquicultura na região da SADC. No encontro foi discutido e apresentado o estado da aquicultura em cada país da região e abordou questões do quadro jurídico/legal de cada país.

Desafios
A ministra das Pescas, Vitória de Barros Neto defendeu na ocasião a necessidade dos parceiros da região construir a estação experimental psícolas, centros de larvicultura destinados a produção de espécies marinhas e da água doce, bem como fábrica de ração e o fomento da aquicultura.

Segundo a fonte, os países membros da organização regional devem contribuir para que a aquicultura desempenhe um papel preponderante no crescimento económico, além de promover o comércio dentro e fora da Comunidade de Desenvolvimento dos Países da África Austral (SADC).

Para a governante, esta estratégia poderá garantir a segurança alimentar em todos os países e aproveitar o potencial existente em recursos naturais e explorar de forma sustentável a produção aquícola, medida que vai contribuir na  redução da pobreza, criar mais emprego e renda para as populações.

Existe um subprograma que inclui projectos que contemplam a construção de estações experimentais, centros de larvicultura destinados à produção de espécies marinhas e de água doce, além de fábricas de ração. Na ocasião, a ministra alertou para os factores da sobreprodução, as alterações climatéricas e outros factores ambientais que provocam uma acentuada diminuição dos recursos marinhos.