Os participantes na conferência sobre a “biodiversidade de Angola” concluíram, na passada terça-feira, em Luanda, a necessidade do reforço da investigação sobre a biodiversidade no país, como forma de se potenciar a sociedade com informações relativas ao ecossistema angolano.
Segundo a Angop, falando em nome da Fundação Kissama, o ambientalista Valdimir Russo, sublinhou a necessidade de se continuar a trabalhar com o propósito de se dar passos concretos para uma melhor gestão da biodiversidade.
O especialista disse que o país é bastante rico em termos de biodiversidade pelo que se devem aprofundar as acções de descoberta, investigação e divulgação da fauna e flora do país.
Realçou que as informações recolhidas e com projectos de investigação será possível incrementar as acções de conservação da biodiversidade angolana.

Obra científica
Durante a conferência, a Fundação Kissama lançou uma obra científica sobre a biodiversidade angolana, no qual retrata aspectos importantes sobre a fauna, flora, faunísticos, marinhos, florísticos e áreas de conservação a nível do país.
A obra conta com 703 páginas, 20 capítulos, cada um dos quais identifica investigações feitas por uma geração emergente de cientistas da biodiversidade e profissionais de conservação angolana.