O programa de reabilitação de estradas secundárias e terciárias na província da Huíla prevê contemplar mais de 2.100 quilómetros, anunciou, em entrevista ao JE, o vice-governador para o sector Técnico e Infra-estruturas, Nuno Mahapi Ndala.

O governante disse que, quando o programa for efectivado, na sua plenitude, vai se melhorar a circulação de pessoas e bens e dinamizar o escoamento dos produtos do campo para a cidade.

Nuno Mahapi Ndala destacou ser prioridade do Executivo angolano ligar a malha secundária e terciária dos 14 municípios da província.
“A província da Huíla tem mais de 2.100 quilómetros de estradas secundárias e terciárias. Existe um programa liderado pelo Instituto Nacional de Estradas de Angola (INEA), para a reabilitação e construção dessa nova malha que não está em condições de ser usada”, revelou.

Reestruturação
Face à actual conjuntura financeira e económica, disse, o programa está a ser reanalisado para ser implementado da melhor forma possível na província.

Informou que até 2015, na província da Huíla foram reabilitados 866 quilómetros de estrada, o que está a dinamizar e fazer com que a circulação seja feita em melhores condições.

Face aos ganhos, referiu, os municípios da Huíla estão a registar um crescimento aceitável, disse, acrescentando que a medida que os recursos financeiros estão a ser alocados para os municípios, a “nossa província está a conhecer melhor dinamismo na
sua infra-estrutura”.

Com os programas realizados, referiu, o crescimento socioeconómico é visível nos municípios que compõem a província da Huíla.
“Há um desenvolvimento aceitável na construção de habitações que a província está a conhecer e alguns acessos que estão a ser empreendidos para dignificar a circulação de pessoas e bens”, acrescentou, tendo frisado que “a nossa satisfação é de ver o desenvolvimento dos nossos municípios.

“Acho que todos administradores estão a seguir a senda de desenvolvimento das regiões. Vamos continuar nessa direcção e dar melhor qualidade dos serviços para a população”, sublinhou.

O vice-governador para o sector Técnico e Infra-estruturas, Nuno Mahapi Ndala, afirmou que a província da Huíla pelas suas particularidades físico-geográficas apresenta um elevado potencial agrícola, industrial e turístico, que pode conferir-lhe um papel decisivo no desenvolvimento do país.

Esta posição geográfica favorável e elevada dimensão territorial, salientou, apresenta uma diversidade de recursos naturais, o que constitui mola impulsionadora para o desenvolvimento sustentável que se almeja nesta franja do território nacional.

Estratégia
Esclareceu que a estratégia de desenvolvimento da província da Huíla de médio prazo, incorpora aqueles que são os objectivos do Plano Nacional de Desenvolvimento 2013/2017, e a integração da província no quadro da estratégia nacional é fundamental para que se afirme no contexto dos eixos fundamentais de desenvolvimento do país.

Informou que definiram-se como grandes linhas de orientação estratégica que traduzem a visão da província no equilíbrio e sustentabilidade ambiental, na melhoria das condições de vida das comunidades e na dotação equilibrada de equipamentos e serviços de suporte.

As realizações do governo da Huíla, adiantou, são visíveis e, têm o apoio incondicional de todas franjas da sociedade civil, sendo certo, que merece particular destaque a acção da juventude, que na sua forma efusiva e entusiasta colabora e participa na crescente construção e reabilitação de infra-estruturas quer sejam sociais como desportivas.

Para ele, a consolidação e a diversificação da base económica da província vai valorizar a capacidade produtiva agrícola e pecuária, vocacionada para o mercado e simultaneamente impulsionar a cadeia de valor agro-industrial.

Este projecto, visa igualmente contribuir para a diminuição das importações, maximizar o mercado de trabalho e o empreendedorismo.

Linhas de força
A aposta e qualificação no capital humano, a mobilização dos actores de desenvolvimento constituem também uma das grandes linhas de orientação estratégica da província sendo, pois que, afiguram-se como condição essencial para responder aos desafios de desenvolvimento, com base no fortalecimento do sistema de educação, saúde e formação profissional.

Precisou que sem prejuízo da importância destas grandes linhas de orientação, o governo da Huíla tem uma posição que pretende ser mais proactiva e que é, certamente, mais ambiciosa.

“Esta visão assenta na manutenção e coerência com o todo nacional, afirmando a Huíla, como uma região em franco desenvolvimento, construindo deste forma para o futuro harmonioso”, aflorou.

Mais infra-estruturas
O vice-governador provincial da Huíla para o sector Técnico e de Infra-estruturas particularizou, por exemplo, que o povo de Caluquembe tem, a semelhança de outras localidades, motivos mais que suficientes para “sorrir”, porque foram abertas importantes infra-estruturas na região.

Referiu que a abertura de quatro instituições de curso médio técnico-profissional, designadamente o curso médio de formação técnica de saúde nas especialidades de farmácia, enfermagem e análises clínicas, de formação de professores com cinco especialidades, magistério primário e o Instituto Médio Politécnico “Dr. Alfredo Berner”, também como cinco especialidades.

Afirmou ainda que foi aberta uma loja de registos para atribuição de cédulas e bilhetes de identidade em tempo “recorde”.
Em tempo anterior a população tinha de deslocar-se à capital da província aproximadamente 200 quilómetros para o efeito. Foi ainda na região, construída a Centralidade da Cachicacala, uma importante resposta ao défice habitacional que ainda se regista ao nível daquele município.