O Ministério da Construção e Obras Públicas dará continuidade a um vasto programa que tem como finalidade restabelecer as ligações entre as capitais provinciais e a capital do país, e a ligação entre sedes municipais e comunais, promovendo a construção e reabilitação das infra-estruturas rodoviárias necessárias ao processo de desenvolvimento do país até 2022.
O plano do quinquénio do sector (2018/2022) foi apresentado na passada quarta-feira, 29, na cidade do Huambo pelo ministro da Construção e Obras Públicas, Manuel Tavares de Almeida, na 2ª sessão ordinária do Conselho de Governação Local (CGL), encontro orientado pelo Chefe de Estado angolano, no qual participaram os governadores das 18 províncias.
Segundo um documento a que o JE teve acesso, este programa prevê ainda a construção e manutenção de estradas em terra, num total de 8.500 quilómetros, que permitirão a melhoria da mobilidade das populações das zonas de produção agrícola para os locais de comercialização e escoamento de produtos para os centros de consumo”, aponta o documento do Ministério da Construção e Obras Públicas.

Recuperação da rede fundamental
Cerca de 8.183 quilómetros (km) da rede fundamental de estradas poderão ser construídas e reabilitadas até 2022 pelo Ministério da Construção e Obras Públicas, no quadro do Plano de Desenvolvimento Nacional (PDN).
Deste leque, 4.000 km compõem as estradas primárias asfaltadas e 4.183 compreende a rede secundária também asfaltada. Quanto à conservação, o projecto prevê 7.800 km de estradas.
O plano contempla a eliminação dos pontos críticos de sinistralidades, desenvolvendo acções de reeducação no trânsito, voltado para a melhoria da segurança rodoviária, o que prevê a execução de obras de correcção de geometria, pavimentos, bermas, áreas de descanso e outras instalações para maior segurança dos utentes.

Estabilização de encostas
O projecto prevê ainda a protecção e estabilização de encostas, requalificação urbana, protecção costeira, regularização de rios e contenção de ravinas.
Está projectada a asfaltagem de 1.700 km de vias urbanas, construção e reabilitação de 4.383 metros de pontes, estabilização de 250 hectares de encostas, desassoreamento e protecção de 50 km de leito dos rios, a protecção de 35 km da erosão costeira, além do combate a 251 hectares de ravinas.
A iniciativa do Governo contempla ainda a certificação da qualidade de 87 km de linha férrea, assim como de um aproveitamento hidroeléctrico, uma infra-estrutura portuária e igual número aeroportuária.

Equipamentos sociais
No domínio dos equipamentos sociais, o programa do quinquénio do Governo pretende dar continuidade ao processo de reabilitação e construção dos edifícios sedes dos governos provinciais, palácios dos governadores, equipamentos sociais, no âmbito da normalização da actividade administrativa do Estado.
Ainda neste domínio, assegura a nossa fonte, serão desenvolvidos projectos sociais para garantir o bem-estar das populações, com a construção de casas sociais “com o objectivo de alojar a população que se encontra em zonas de risco ou nos locais de construção de novas vias urbanas ou
valas de drenagem pluvial”.
Neste contexto, está programada a construção de 20.418 casas sociais, a manutenção de 18 edifícios públicos, assim como a reabilitação e construção de oito equipamentos sociais e a manutenção de equipamentos sociais.