A Estratégia Nacional de Saneamento Total Liderado pelas Comunidades e Escolas em Angola (ENSTLCEA), com vista a se alcançar a condição de comunidades sem defecação ao ar livre, foi apresentada na passada segunda-feira, em Luanda.
Segundo o director nacional do Ambiente, Nascimento Soares, a iniciativa visa alcançar todas comunidades com à garantia de que todas as famílias lavem as mãos com água e sabão, cinza ou outro material.
Na sua óptica, a Estratégia Nacional de Saneamento Total Liderado pelas Comunidades e Escolas em Angola, permite às comunidades prevenir doenças.

Saneamento urbano e rural
A ministra do Ambiente, Paula Francisco, apontou o saneamento urbano e rural como prioridades do sector no período 2017/2022, sem descurar a inclusão económica.
O projecto conta com avanços em 11 aldeias do país e constitui uma ferramenta importante para a resolução dos problemas de saneamento das populações nas zonas peri-urbanas e rurais, sobretudo na identificação de acções concretas para responder aos problemas identificados.
O programa está a ser implementado em Angola desde 2008, tendo começado como projecto piloto na província da Huíla, durante o surto de cólera e estendeu-se ao Bié e Moxico.