O Executivo angolano está apostado na reabilitação e expansão dos sistemas de abastecimento de água, com vista ao cumprimento das metas estabelecidas e dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio que propõem reduzir até 2015, para metade, o número de pessoas sem acesso sustentado ao saneamento básico e água potável.

A estratégia de desenvolvimento a longo prazo “Angola 2025” preconiza objectivos claros, para o desenvolvimento humano em Angola, aos quais se associam um conjunto de desafios como é agir no sentido de proporcionar à população acesso à água potável nas áreas urbanas e rurais, bem como o acesso à água para as actividades económicas.

Programas estruturantes
O secretário de Estado das Águas, do Ministério de Energia e Água, Luís Filipe da Silva, que procedia ao lançamento do “primeiro boletim sectorial de água e saneamento”, disse na ocasião que o seu sector, em Angola, se encontra actualmente num processo de transformação com objectivos e linhas de orientação estratégicas e programas integrados. O governante disse que se impõe um programa de investimento e o estabelecimento de metas visando a ampliação da taxa de cobertura, com impactos socioeconómicos positivos.

Um programa que terá repercussão directa no cumprimento dos compromissos nacionais e internacionais.

Parceria
A apresentação do boletim coube à Direcção Nacional de Água, conjuntamente com o Unicef e com apoio financeiro da União Europeia (UE). A referida direcção do Minea está a desenvolver um sistema de informação sectorial da Água e Saneamento (SISA), ferramenta moderna ágil e de funcionamento, que permitirá apoiar na definição de políticas, formulação de planos, alocação de recursos e conhecimento em tempo real dos progressos do sector, constituindo uma ferramenta de divulgação da actividade do sector.
A base de dados do Sisa por província dos 22.871 inqueridos realizados 17.295 são de água, onde 4.166 inquéritos nas localidades contam com o sistema de abastecimento de água e 13.129 localidades não tem este serviço.

Sistemas reabilitados
O director nacional de Água e Saneamento, Lucrécio Costa, afirma que estão em curso projectos de desenvolvimento da reposição do sistema de água nas cidades de Malanje, Saurimo, N´dalatando, Huambo, Kuito, Dundo e Uíje.

Está prevista a reposição, a curto prazo, nas cidades do Luena e MBanza Congo, as ligações domiciliárias num total de  245,412 correspondem aos 3.188 sistemas que funcionam, onde 5.470 são chafarizes, dos quais estão operacionais 4.076 e 1.394 não funcionam. O cenário actual apresenta que a escala nacional, para os sistemas de abastecimento de água e que é a primeira realizada, abrangendo todas as províncias, municípios e comunas, tendo sido atingido cerca de 89 por cento (pc) das localidades do país, tanto em zonas urbanas como rurais utilizando como ferramenta o Sisa.

Ganhos
As províncias com maior percentagem de sistemas registados a funcionar são a Lunda-Norte com 100 pc, Benguela com 99 pc, Huíla 86, Kuando-Kubango 85, Cunene84, Bié 83, Zaire 82, Kwanza-norte 79, Huambo e Moxico 76, Kwanza- -Norte 74, Bengo 70, Cabinda 68, Namibe 64, Luanda 61, Lunda-Sul 60, Uíje 55 e Malanje 43.

Por outro lado, a responsável para a informação, Carolina Cordeiro, disse que a União Europeia (EU), disponibilizou para a efectivação do projecto mais de 3 milhões de euros (390 milhões de kwanzas) para apoiar a efectivação do Banco de dados.