O Executivo angolano vai continuar a trabalhar para potenciar as mulheres rurais, através da protecção dos seus direitos, bem como apoiar o seu desenvolvimento económico.
A afirmação é da ministra da Acção Social, Família e Promoção da Mulher, Victória da Conceição, quando discursava na cerimónia de abertura do “I Fórum da Mulher no Meio Rural e das Finanças”, que o município do Icolo e Bengo, em Luanda, acolheu nos dias 16 e 17, sob o lema ”Promover a mulher no meio rural para dinamizar o desenvolvimento
local e o combate à pobreza”.
Acrescentou que o sector da agricultura constitui “a vanguarda da diversificação e estabilidade da economia angolana”, daí será preciso o reforço no apoio para que as famílias possam ter mais acesso a bens e serviços, numa altura em que as mulheres no meio rural constituem as principais responsáveis pela produção de 80 por cento dos bens alimentares consumidos no país.
De acordo com a ministra, os dados do censo populacional de 2014 mostram que mais de 52 por cento da população angolana são mulheres, das quais 37 por cento estão no meio rural e constituem a principal força de trabalho
no sector agrícola.
Com estes indicadores, sublinhou, a estratégia será de melhorar a vida das mulheres em situação de vulnerabilidade no meio rural, criando condições que lhes permitam atingir o mínimo de dignidade e segurança, reforçando para tal a prevenção dos riscos e a integração social das mesmas.
Por sua vez, o ministro da Agricultura e Florestas, Marcos Nhunga, encorajou a mulher rural a prosseguir com os esforços que visam o aumento
dos níveis de produção.

Micro finanças
Por sua vez, a directora para o micro-crédito do Banco Sol, Justina Cândida Teixeira, a sua instituição bancária disponibiliza, anualmente, o equivalente em kwanzas a 32 milhões de dólares para a agricultura.
Até agora, o Banco Sol já concedeu crédito a mais de 130 mil pessoas, sendo que a província de Luanda lidera a lista de credores.
Questionada sobre a taxa de reembolso do crédito a nível nacional, a gestora explicou que é bastante satisfatória,pois que ronda os 75 por cento.
Entre os créditos mais solicitados o destaque recai para os créditos “empreendedorismo na comunidade”, “agrícola de campanha” e “micro-crédito empresa”, todos com a cobertura do programa “Sol Seguros”.