Cerca de 6.648 blocos de granito foram produzidos em 2018, na província da Huíla, o que constitui um volume de 41.868,464 metros cúbicos, contra os 6.394 blocos que correspondiam a 36.168,477 metros cúbicos de 2017.
Segundo uma nota a que a Angop teve acesso da Direcção provincial do Comércio, Indústria e Recursos Minerais, em relação à comercialização, o relatório refere ter-se registado igualmente um aumento no volume em metros cúbicos de 6.260,898, o que apresenta um crescimento de16,14 por cento.
Receitas
A exploração de granito resultou na arrecadação de 134,5 milhões de kwanzas, com a cobrança de guias de exportação de granito, declaração fiscal e credencial para o transporte de inertes na Huíla.
Em relação a 2017, houve um aumento de 41,43 por cento, ou seja, mais de 55,7 milhões de kwanzas. O documento realça também que o sector da construção civil, o maior consumidor dos materiais de origem mineira reduziu a sua actividade, situação que provocou a partir de 2016 o encerramento de quatro britadeiras, assim como o encerramento temporário da empresa de transformação de granito “Emanha”.
O departamento de Recursos Minerais, afecto ao gabinete provincial da Huíla, do Comércio, Indústria e Recursos Minerais, controla 25 empresas, sendo 15 de exploração de rochas ornamentais, duas britadeiras, um areeiro, uma de agro-mineral e outra de material cerâmico, bem como cinco de água mineral.