O Ministério das Telecomunicações e Tecnologias de Informação em parceria com a Feira Internacional de Luanda (FIL) promove entre os dias 14 e 17 de Maio, nas instalações da Filda, a 4ª edição da “Expo TIC”, sob o lema “O desafio do sector das tecnologias de informação e comunicação no contexto da diversificação da economia”.

A feira tem como objectivo divulgar os projectos desenvolvidos, sobre as boas práticas da administração pública, através da apresentação dos projectos desenvolvidos pelo Executivo angolano junto da sociedade, na aplicação dos melhores produtos e serviços de cariz tecnológico, nas diversas áreas empresariais, bem como promover o empreendedorismo na área das TIC.

Ambiente de negócio
De acordo com o secretário de Estado para as Telecomunicações, Aristides Safeca, o Executivo angolano delineou uma estratégia clara, incorporada em vários programas estruturados no quadro do plano nacional de desenvolvimento, em curso no país até ao ano de 2017.

O responsável que falava no acto da abertura do fórum sobre a “Expo TIC”, explicou que no domínio das tecnologias, e em especial nas de informação e comunicação, o evento deste ano servirá para avaliar e criar um ambiente de interacção entre os empresários ligados ao sector das telecomunicações e tecnologias de informação do país.

“Consta das preocupações do ministério a criação de uma base sólida para a implantação dos factores de apoio para o desenvolvimento económico, financeiro e social de Angola”, disse.

O responsável explicou que o Ministério das Telecomunicações e Tecnologias de Informação vai continuar a trabalhar para criar um ambiente salutar com os órgãos reguladores, as operadoras, as empresas de prestação de serviços, assim como os utilizadores das tecnologias de informação.

“Nós temos plena convicção de que quem vier nesta feira terá a oportunidade de avaliar o que o nosso país hoje tem no âmbito das tecnologias de informação e comunicação, bem como a sua capacidade de resposta de diferentes problemas”, considerou.

Neste âmbito, disse, dos resultados das acções que foram estruturadas no referido programa, destaca-se o de investimentos nas redes de fibra óptica, tanto a nível nacional como internacional, o que permite à população o acesso aos conteúdos em banda larga.

Consta igualmente, os programas de televisão digital de Angola que visa transformar a indústria de conteúdos num mercado próspero de oferta de serviços diversificados e o de massificação de acesso à internet e respectivos conteúdos, que integram acções como as mediatecas, internet nas escolas, governação electrónica, assim como a liberalização do provimento de serviços assentes na internet.

Avanços tecnológicos
O governante sublinhou que Angola se congratula de ser actualmente um palco de diversas actividades com carácter técnico e científico, que disponibilizam novos impulsos para a economia nacional, além das valências a nível do saber e das competências técnico-científicas nos domínios da informática, das comunicações electrónicas e da internet.

Para ele, num momento que as tecnologias de informação e comunicação são bastante actuais no mundo, torna-se também importante realçar mais uma vez que a oferta de serviços na internet, a segurança no espaço cibernético, as liberdades da oferta, consulta e manuseamento de dados na internet, bem como os direitos à privacidade dos cidadãos, seu bom nome e forma de manter-se o equilíbrio entre os interesses de todas as partes são um grande desafio da governação desta importante ferramenta.
“As TIC são um dos actuais motores do desenvolvimento a nível global.

Espera-se que no evento se discutam importantes matérias actuais e que sejam tiradas conclusões úteis para o desenvolvimento do país e para o bem-estar da população”, disse.

Dinâmica no sector
Por seu turno, a gestora das feiras da FIL, Célia Denise Francisco, disse que fomentar a actividade das tecnologias de informação, para promover o surgimento de iniciativais empresariais associadas à formação técnico-científica especializada de quadros e gestores de nível básico, médio e superior do sector consta também entre as prioridades da Expo Tic Angola 20015.

“Um dos principais objectivos da feira é desenvolver e tornar o sector das TIC mais dinâmico, sendo este um dos segmentos que nos últimos tempos se têm vindo a destacar em todo o mundo e conecta-se em quase todas as empresas”, recordou.

Segundo adiantou, este salão é o “ponto de encontro entre os profissionais do sector e o público em geral, uma verdadeira mostra das soluções que permitirão a Angola alcançar os padrões mais elevados de informatização e de desenvolvimento tecnológico das suas empresas, serviços e sociedade”.

A feira promovida pelo Ministério das Telecomunicações e Tecnologias de Informação em parceria com a FIL contará com a participação de 100 empresas, entre nacionais e internacionais, numa área de exposição de 5.750 metros quadrados.

Sectores como os de sistemas informáticos, infra-estruturas de TIC, aplicações empresariais, soluções de segurança e gestão de redes, educação, formação, consultoria, entretenimento e vídeo-jogos, provedores de internet, tecnologias audiovisuais e telecomunicações poderão expor os seus produtos.