Uma fábrica de processamento de enchidos e transformação de carnes, um investimento de quatro milhões de dólares, entra em funcionamento em Abril na Zona Económica Especial (ZEE), numa iniciativa da empresa Mestre-Akino.
Em entrevista à Angop, o administrador da Mestre-Akino indústria limitada, Luís Nicássio, informou que do valor global 2,2 milhões de dólares foram financiados no âmbito do extinto Programa Angola Investe e a outra parte pela promotora do investimento.
A unidade fabril terá capacidade para produzir 50 toneladas de carne suína/mês, desde charcutaria, chouriço corrente, carne salgada e chouriço extra.
Com a entrada em funcionamento da fábrica, pelo menos 50 postos de trabalho directos serão criados numa primeira fase.

Dificuldades

Devido à fraca oferta de suínos no mercado nacional, a empresa vai importar a matéria-prima.
De acordo com o empresário, a segunda fase do projecto será a aposta na matéria-prima local, pois já existe um projecto que está na banca comercial, que visa criar uma suinicultura de ponta, de dimensão industrial, com 800 porcas matrizes, que vão gerar aproximadamente 21 mil porcos/ano.
Referiu que o mercado de enchidos no país está na fase embrionária, mas os empresários precisam alavancar esse mercado que vai de encontro aos hábitos da dieta alimentar dos angolanos.
“Existem indústrias a funcionar, seremos mais uma, mas não conseguiremos cobrir o território nacional. Mas as iniciativas têm de começar para que se aposte na produção nacional, e deve-se acabar com a ideia de que a produção nacional é cara. Até pode ser ligeiramente mais cara, mas é preciso começar, porque essas acções devem estar enquadradas dentro
da diversificação económica nacional”, disse.
Acrescentou que a nível de enchidos se as empresas produzirem 40 por cento dentro do território nacional será uma mais-valia.
Por outro lado, o empresário Luís Nicássio, disse que o sucesso do Programa de Apoio à Produção, Diversificação das Exportações e Substituição de Importações (PRODESI) depende do envolvimento sério dos empresários, com o devido apoio e incentivo do Executivo.

Mais produção

Dados indicam que a produção pecuária em Angola registou números satisfatórios no tocante à produção de ovos, carne caprina, ovina e suína, em 2018.
Neste período, foram produzidas 27.192 toneladas de carne de aves, que corresponde a 63 por cento da meta estabelecida pelo Ministério da Agricultura e Florestas.
A produção de carne bovina atingiu as 22.161 toneladas (33,4 por cento), 117.185 toneladas de carne ovinos/caprinos (68,3), 4. 262 toneladas de carne suína (16), 27.192 toneladas de carne de frangos (63,4), 1.119 milhares de unidades de ovos, que corresponde a 146 por cento da meta definida, 3.575 milhões de litros de leite, que corresponde a 69 por cento dos
objectivos preconizados.
Ainda neste âmbito, de acordo com os dados apresentados pelo Ministério da Agricultura e Florestas, foram elaborados e aprovados os programas de fomento da produção pecuária, com destaque para bovinicultura, pequenos ruminantes,
suinicultura e avicultura.