O novo complexo agro-pecuário, Fazenda Mumba, está a despertar a atenção de jovens formados no Instituto Agrário do Tchivinguiro, por garantir de imediato a criação de 400 postos de trabalho em diversas áreas. João Alberto, formado em Gestão Agrícola, enalteceu a iniciativa da empresa Omatapalo por implantar o projecto a 300 quilómetros da cidade do Lubango.
Explicou que, a posição geográfica do projecto agro-pecuário favorece a instalação de nova mão-de-obra qualificada, permitindo deixar os centros urbanos que se encontram agastados com dezenas de jovens a procura do primeiro emprego.
“Foi a grande surpresa para nós encontrar na Expo-Huíla, uma empresa disposta a dar-nos oportunidades de trabalhar”, disse.
Já a jovem Amélia Constatina, técnica de Produção Vegetal, não vê hora do início do recrutamento por estar há 3 anos sem ocupação que a permita praticar o que aprendeu no instituo. “Quero muito fazer parte da futura gigante na produção de milho e da carne bovina”.

A responsável da área de Comunicação e Imagem da Omatapalo, Yara Custódio, explicou ao JE que a presença na feira visa apresentar além de outras empresas do grupo, a fazenda Mumba, banhada pelo rio Cuvango, numa extensão de 22 quilómetros.
Considerou, por isso, um valor acrescido para desenvolver a cultura de cereais sem ter que depender necessariamente das quedas pluviométricas, onde já estão desmatados mais de mil hectares onde se procede o cultivo experimental de variedades de milho.
As infra-estruturas auxiliares à produção com realce aos armazéns, refeitórios, oficinas e dormitórios, estão já concluídas. Foram igualmente adquiridas 400 cabeças de gado bovino de alta selecção para o fomento animal que estão a adaptar-se de acordo o previsto e em fase de reprodução.
Para fazer face a carência de pasto que se regista na região sul Huíla Namibe, Cunene e Cuando Cubango devido a seca severa, está a ser produzido quantidades consideráveis de feno que podem ser adquiridos e transportados pelo Comboio do caminho
de Ferro de Moçamedes.
Para facilitar o acesso, foi aberto uma picada com uma extensão de 52 quilómetros que torna o trânsito mais cómodo e veloz para o pessoal, assim como a comunidade. A empresa reabilitou e ampliou o posto médico, a casa dos médicos e efermeiros bem como dos professore.
Actualmente a fazenda comta com 48 trabalhadores, cifra que vai aumentar a medida que se efectivar a produção.