Um financiamento de 147, 3 milhões de kwanzas (1,5 milhões de dólares norte-americanos), do programa “Angola Investe”, transformou a fazenda “Vinevala”, situada no município do Chinguar, província do Bié, como a maior produtora e fornecedora de batata rena no país.

O proprietário da fazenda, Alfeu Vinevala, avançou ao JE que a área de produção passou de 12 hectares para 100. Durante este ano, e até finais de Janeiro de 2015, a fazenda perspectiva lançar para o mercado angolano perto de 4.000 toneladas de batata rena em duas diversidades. A primeira, designada “maniton”, é de cor castanha, e a outra “mundial” é de revestimento branco.

Projectos
A fazenda “Vinevala” arrancou com a produção agrícola em meados de 2002 e actualmente conta com 128 trabalhadores efectivos e 250 eventuais.

Alfeu Vinevala apontou que o ramo da pecuária constitui o próximo desafio a atingir. O agricultor revelou que a fazenda já dispõe de 250 cabeças de gado bovino e garantiu, que em breve espaço de tempo vai lançar-se à produção e comercialização de carne e leite.

Rentabilidade
Na província do Bié, região tida como potência agrícola, o Programa de Aquisição de Produtos Agro-pecuários (PAPAGRO) foi efusivamente aplaudido pelos camponeses, de acordo com o fazendeiro.

O produtor sublinhou que o Papagro consolidou a sustentabilidade económica das famílias camponesas e por outro lado permitiu impulsionar o processo do comércio nesta região do planalto central do país. De acordo com o responsável da fazenda, a construção de novas infra-estruturas de apoio ligado ao Papagro, como o Centro de Logística e Distribuição (CLOD), promoveu o aumento do fornecimento de produtos diversos em volta de 180 toneladas por dia. Os mesmos acrescentaram, são escoados em vários mercados nacionais.

A par do Papagro e as infra-estruturas de apoio ao processo, o agricultor afirmou que a aprovação da nova pauta aduaneira concernente aos produtos do campo deu uma grande oportunidade aos camponeses da província a potenciar a produção doméstica.
Alfeu Vinevala realçou que desde a abertura da rede do Papagro nunca mais se verificou a perda ou deterioração dos produtos agrícolas dos camponeses nesta região do planalto central do país.

Aquisição de produtos
O Papagro no município do Chinguar tem adquirido hortofrutícolas como repolho, couve, cenoura, batata rena, cebola, milho, feijão, mel, laranja, tangerina, fuba de bombó, mandioca, melancia, alho, soja, entre outros. Estes produtos são comprados através do Centro de Logística e Distribuição (CLOD) local.

Mais-valia
O presidente da União Nacional dos Camponeses de Angola (UNACA) no Bié, Mariano Sassoma, destacou, recentemente, no Cuito, a necessidade de criação de mais lojas do projecto Papagro na província, destinado a compra e venda de produtos do campo, essencialmente no interior.

Na óptica do responsável da Unaca, a construção de novas infra-estruturas permite que os camponeses poupem recursos na transportação dos produtos das suas localidades para os municípios do Chinguar e Cunhinga. Lembre-se que devido a existência de poucas lojas do projecto Papagro, a maioria dos camponeses continua a comercializar os seus produtos no mercado informal.

Com uma população estimada em mais de dois milhões de habitantes, na sua maioria camponesa, subdividida em nove municípios e 30 comunas, a província do Bié possui apenas duas lojas do projecto Papagro, nos municípios do Chinguar e Cunhinga, a cerca de 75 e 30 quilómetros a Oeste e Norte da cidade do Cuito, respectivamente.

Chinguar
O município ocupa uma área de 3.054 quilómetros quadrados, e conta com uma população estimada em cerca de 299.000 habitantes. O Chinguar é limitado a Norte pelos municípios do Cunhinga e Bailundo, a Este pelo município do Kuito, a Sul pelo município de Chitembo e a Oeste pelo município de Catchiungo.