A Fábrica de Cimento do Kwanza Sul (FCKS) paralisou na quarta-feira (1 de Novembro), as suas actividades, devido à falta de combustível
Fight Fuel Oil (HFO).
Em declarações à imprensa, o director operacional da FCKS, Edmundo Ferreira , disse que a falta de combustível Fight Fuel Oil (HFO) para a produção do clinquer, matéria -prima fundamental para produção do cimento, forçou a paralisação da indústria.
Referiu que a empresa tem todo seu equipamento operacional e logo que se resolver o problema do combustível a empresa vai chamar os 500 trabalhadores para retomarem a actividade laboral.
“Esperamos que as estruturas públicas competentes velem pela situação, visto que vai afectar muitas famílias que têm a fabrica como
ganha pão”, apelou o director.

Trabalhos mínimos

Disse que neste momento apenas o departamento comercial vai funcionar para que as 13 mil toneladas ainda existentes na fábrica
possam ser comercializadas. A unidade fábril consome diariamente 400 mil litros de fuel.
A fábrica, com capacidade de produção de quatro mil e 200 toneladas/dia de cimento, possui unidades para o fabrico do clinquer, uma central de energia com 41 megawatts e fábrica de saco de papel para embalar o cimento.
O cimento é composto por calcário, argila e gesso, matérias-primas que a província oferece, bem como o minério de ferro que vem da Jamba
Mineira, província da Huíla. A FCKS iniciou a sua actividade em 2014.