O fomento da agro-indústria, mediante a criação de um modelo de plataforma apoiada numa rede comercial dinâmica, moderna e abrangente, é uma das prioridades do plano de desenvolvimento da província do Huambo nos próximos cinco anos, soube a Angop junto do executivo local.
O facto foi dado a conhecer, terça-feira, por Bruno Soares, responsável da coordenação executiva deste plano, durante a sua apresentação aos membros do conselho de auscultação das comunidades.
Informou, na ocasião, que o plano de desenvolvimento da província assenta num posicionamento geo-estratégico de dinâmicas demográficas com relevância nacional, sendo que a aposta na agro-indústria decorre do elevado potencial da região.
Também disse que até 2022 as autoridades locais pretendem catapultar a economia da província, através de um maior aproveitamento dos recursos naturais, entre os quais minerais, piscícolas e florestais.
Ainda dentro do plano de desenvolvimento, Bruno Soares disse que será reforçado o acesso à educação primaria e valorizada a educação média, superior e a formação técnica profissional, assim como reforçar a qualidade da assistência médica e medicamentosa à população.
Afirmou que o governo da província irá assumir, como missão fundamental, a criação de condições para a concretização da visão de futuro, revitalizando o potencial produtivo, em particular a agricultura, pecuária e o repovoamento florestal.

Apoio às famílias

Apontou também o fomento do apoio à produção das famílias camponesas, criando condições para o armazenamento, escoamento e comercialização do excedente, reforço e alagamento da extensão rural como outras prioridades até 2022.
Referiu também que o plano de desenvolvimento da província inclui a promoção do sector do turismo, reabilitação e desenvolvimento das estradas, assegurar a construção e ampliação dos sistema de abastecimento de água potável e de energia eléctrica.