O Fundo Rodoviário efectuou trabalhos de conservação e manutenção de estradas em cinco troços, nas províncias do Cuanza Sul, Benguela, Huambo, Uíge e Bengo, além de tratamento de ravinas em dois outros troços, no Huambo e no Uíge.
No Bengo, no troço Kifangondo/Caxito, na Estrada Nacional 100, foram feitas obras de manutenção e conservação em 38 quilómetros (km) de estrada.
Numa nota que o JE teve acesso, a instituição explica que foram ainda efectuados trabalhos de melhoramento do asfalto, limpeza das passagens hidráulicas, assim como colocação de defensas metálicas em alguns pontos críticos, num prazo de execucação de quatro meses.
Na província de Benguela, o Fundo Rodoviário executou trabalhos de conservação e manutenção nos troços Catengue/Ganda e Ganda/Tchinjenje criando 56 empregos. No no Huambo, os troços Tchinjenje/Caála também esteve sob intervenção.
No Cuanza Sul, o troço Gabela/Quibala recebeu obras de conservação e manutenção, que criou oportunidade de emprego para 58 pessoas.
Os trabalhos de conservação são feitos corte de capim, limpeza de berma e esgoto, obras que auxiliam na durabilidade do asfalto. Já nos trabalhos de manutenção, foram foi resposta a sinalização horizontal e vertical, pequenos consertos no asfalto, entre outros trabalhos.
Na província do Uíge, no troço Sanza Pombo/Quimbele, e no Huambo, no troço Caála/Ukuma foram igualmente feitos trabalhos de tratamento de ravinas, que é considerado como principal elemento de deterioração das estradas em curto espaço do seu tempo de vida útil.

Redução dos custos

O Fundo Rodoviário considera que estudos técnicos realizados, apontam que os trabalhos permanentes das brigadas podem reduzir em até 85 por cento os custos de conservação e manutenção das estradas.
Com essa redução, os 27 mil dólares por quilómetros consumidos com os serviços de preservação de uma estrada
podem baixar drasticamente.
Ao longo deste período, foram intervencionados um total de 35 troços de estradas da rede prioritária, sendo que, 30 beneficiaram de trabalhos de conservação e manutenção, e os restantes troços são referentes a obras de tratamento de ravinas.
Ao todo perfaz um total de 2.017 quilómetros de estradas financiados pelo Programa Nacional de Conservação
e Manutenção de Estradas.
O objectivo é além de preservar o património do Estado, diminuir os custos de reabilitação e melhorar as condições de circulação diária de veículos nas vias, os impactos dos serviços têm reflexos positivos na segurança e conforto de automobilistas.
O Fundo Rodoviário tem como competências analisar e aprovar o programa anual de conservação e manutenção de estadas de Angola, analisar e aprovar, com vista a sua inserção no programa nacional de conservação e manutenção de estradas, os troços submetidos pelo Instituto de Estradas de Angola (INEA), pelos governos provinciais e pelas administrações municipais são outras atribuições deste órgão.