O Ministério da Agricultura em parceria com o da Família e Promoção da Mulher, bem como o Fundo das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), promovem, desde o mês de Junho, o projecto de produção e maneio da exploração de mel, que abrange mais de 100 famílias dos municípios dos Gambos, província da Huíla e Cuvelai (Cunene).
A acção, enquadrada no programa de diversificação da economia e combate à fome e à pobreza no meio rural, está orçado em 120 mil dólares norte-americanos, e que estão a ser financiados pela FAO.
O coordenador dos Programas de Emergência do Fundo das Nações Unidas para a Agricultura (FAO) em Angola, Matteo Tonini, que prestou a informação ao JE esclareceu que o projecto está a ser implementado em parceria com o Ministério da Família e Promoção da Mulher (MINFAMU), em conjunto com o Ministério da Agricultura através do Instituto de Desenvolvimento Florestal (IDF). Matteo Tonini informou que a acção está a ser desenvolvida no âmbito dos programas de emergência, apoiando a resiliência das famílias rurais, que visa promover a diversificação das fontes de renda através da promoção da horticultura e a instalação de sistemas gota a gota que permitem aumentar a eficiência da utilização da água e a produtividade.
“O projecto está orçado em 120 mil dólares, financiado pela FAO, junto com o Ministério da Família e Promoção da Mulher, os Ministérios da Agricultura através do IDF e a administração municipal de Cuvelai”, indicou.
A acção tem a duração de um ano e foi elaborado de forma a integrar o projecto maior que o Ministério do Ambiente e as Nações Unidas – UNDP, tem para a bacia do rio Cuvelai, financiado pelo Fundo Global do Ambiente (GEF).

Criar riqueza
Com o projecto, salientou, através dos fundos e da parceria com o projecto GEF, prevê-se abranger um número maior de apicultores, criar e legalizar uma cooperativa e uma firma de venda, com a integração das colmeias tradicionais com colmeias modernas (langshtrot) com um aproveitamento adequado de mel.
Na primeira fase, foram entregues 40 kits de protecção a igual número de apicultores de 20 aldeias. Os beneficiários, tiveram formação para a boa prática e melhor
utilização dos equipamentos.
Esclareceu que o projecto iniciado no mês de Junho do ano em curso (2017), compreende as componentes de recolha
do mel e o seu processamento.
“Através dos equipamentos, os apicultores podem recolher o mel sem problemas de entrar em contacto com as abelhas e podem trabalhar de forma calma e eficaz na recolha
do precioso produto”, disse.
Para melhor aproveitamento e processamento do mel, disse Matteo Tonini, os beneficiários estão a receber formações sobre a utilização do fumigador e foram distribuídos fatos de protecção.
Nas formações, estão ainda a ser ministradas assuntos que visam regular a utilização da fumigação, de maneiras a que se aumente a qualidade do mel.
“A acção permite também prevenir os grandes focos de fogo, que são realizados para recolher o mel, que em muitos casos alastra-se na floresta, criando queimadas de grandes dimensões, com grandes impactos ambientais”.
O responsável garantiu que estão a ser debatidas acções que visam fazer a filtragem, engarrafamento
e comercialização do mel.
Acrescentou que através das formações realizadas e da entrega de kits de processamento, assim como prensas, filtros, baldes e frascos de vidro, as comunidades vão iniciar a processar e engarrafar o mel de forma salutar e higiénica. “Precisamos atingir padrões necessários na produção, processamento e venda do mel em todo o país, disse.
No processo de formação participaram homens e mulheres das comunidades que estão situadas nos municípios e províncias abrangidas.
Matteo Tonini afirmou que a segurança alimentar e a resiliência das comunidades rurais, passa necessariamente pela diversificação das fontes de renda.
Indicou que no quadro do programa de diversificação económica e de combate à fome e à pobreza, é preciso também valorizar os produtos florestais não madeireiros e o mel joga o papel preponderante no desenvolvimento sustentável e na preservação ambiental do país.

Potencial do Cuvelai
Cuvelai é o município mais húmido da província do Cunene, e a sua posição geográfica faz com que tenha muitas características similares com a Huíla.
Matteo Tonini disse que Cuvelai é um município com potencial agrícola e tem sido o destino das principais rotas de transumância do gado bovino da província do Cunene e norte da Namíbia.
O município conta com cerca de 100 apicultores e mais de 2 mil colmeias tradicionais.
O mel, salientou, é recolhido e vendido de forma tradicional. Com o financiamento do projecto, vai se melhorar a fase de colheita.
Acrescentou que a nível da venda, sobretudo no município do Cuvelai, Ondjiva, a venda do mel não apurado custa 500 kwanzas o quilo e o apurado, 1.000. Com o processo de filtração que está a ser optado, o produto ganha maior valor.