O governador provincial do Namibe, Carlos da Rocha Cruz, disse que as províncias da Huíla e Namibe dispõem de grandes potencialidades em minérios, com particular realce para o mármore e granito, cuja solução de transporte deve ser a mais adequada.
A intenção, afirmou, é de aproveitar ao máximo os comboios do CFM para que se diminua os transtornos que se têm verificado ao longo da estrada Namibe/Lubango, na estrada nacional 280, onde a afluência dos camiões provocam diversos acidentes rodoviários.
Carlos da Rocha Cruz destacou a medida visa “ordenar” a transportação do granito para a província do Namibe, daí a criação de algumas condições para o efeito, numa altura em que há necessidade de se proteger a estrada que liga as cidades de Lubango e Namibe.
Revelou que no quadro da estratégia de desenvolvimento do Namibe, a Huíla desempenha um papel importante.
Revelou que o Ministério da Construção e Obras Públicas tem um projecto que prevê ligar a Lucira ao Dombe Grande.

Aproveitar as infra-estruturas
Por sua vez, o governador da Huíla, João Marcelino Tyipinge, reconheceu que ainda não existe condições para a instalação de balanças para determinar o peso da carga e mercadoria que transita
no troço Lubango/Namibe.
Disse que o Governo fez investimentos elevados para a construção e reabilitação das linhas-férreas, cujo aproveitamento tem sido diminuto.
Como exemplo, o governador disse que o adubo é descarregado em Benguela ou Luanda, o que torna mais caro o produto, se fosse feito através do porto do Namibe e transportado na linha férrea existente na região.