O projecto agro-industrial “Biocon”, localizada no município de Capanda (Malanje), prevê duplicar os níveis de produção de açúcar, no próximo ano, para atender a demanda nacional e reduzir a importação.

A informação foi avançada ao JE, recentemente, em Luanda, pelo director para a área de produção da companhia de bioenergia “Biocon”, Adilson Rodrigues.

O responsável disse, que a meta é aumentar os níveis de produção para 50 mil toneladas de açúcar, contra as actuais 25 mil resultantes da primeira safra.

Segundo explicou, além do açúcar a empresa produziu mais de 10 mil metros cúbicos de etanol e cera de 70 gigawatt de energia por hora, destinadas à abastecer a província de Malanje e arredores.

Explicou que o projecto agro-industrial está implantado numa área de aproximadamente 42 mil hectares, dos quais 11 mil estão reservados para a plantação da cana-de-açúcar. A empresa espera atingir níveis de produção que lhe permitam impulsionar o desenvolvimento e atingir a auto-sustentabilidade.

Aposta
Para garantir a produção, o projecto conta com a contribuição de aproximadamente 2 mil trabalhadores angolanos, entre homens e mulheres nas diferentes áreas. As acções de formação são ministradas pela empresa, nas mais variadas áreas.

Na formação profissional, o foco, incide sobretudo, na capacitação de profissionais da região onde actua, de forma a “fomentar mudanças positivas na economia local e no desenvolvimento das comunidades”.

A companhia acredita que antes de se investir nas “máquinas é necessário investir em seres humanos”, pois, segundo argumentou “são estes que garantem o desenvolvimento”.

Variedades
Actualmente, o projecto conta com uma variedade de espécies de cana-de-açúcar, desde a nacional, indiana, sul-africana e brasileira.
O gestor assegurou que o açúcar que está a ser produzido e consumido actualmente é assegurado por uma espécie de cana-de-açúcar nacional, sobretudo a cana rosa.

A reprodução da espécie é feita por estaca. Mensalmente, são plantadas mais de mil estacas, recolhidas em três períodos, nomeadamente o período precoce, médio e tardio, isto é, entre três, seis meses e um ano, respectivamente.

Energia eléctrica
Explicou que a produção de energia eléctrica resulta da queima do bagaço (palha) da cana-de-açúcar, ao passo que o mel que sobra da extracção do açúcar é usado para produzir o etanol.

Este produto é comercializado e distribuído em embalagens e sacos de 1 e 50 quilogramas, respectivamente, em processo de ensaque.

Entre os principais clientes do produto estão os supermercados e a rede de retalhistas espalhadas um pouco por todo o país.