Com uma unidade fabril de material de construção civil e electricidade já instalada e a funcionar em pleno nas Mabubas, município do Dande, o sector está estudar e preparar modelos para infra-estruturar as áreas, para garantir condições aos empresários que vão investir nos referidos pólos industriais.
O objectivo é tornar essa região numa área industrial de referência, com unidades fabris ligadas aos materiais de construção civil e grandes maquinarias, segundo o director provincial do Bengo do Comércio, Indústria e Recursos Minerais, Manuel Fernando, que falava à Angop.
Trata-se de um trabalho que está avançado e executado pela direcção da indústria, sector privado, gabinete de infra-estruturas e serviços técnicos do governo da província.
Estes estão a trabalhar em áreas pré-definidas na infra-estruturação dos serviços mínimos, de modo a facilitar a actividade dos industriais.
Para esta iniciativa, segundo o responsável, existem já algumas propostas em avaliação, pois neste projecto o sector quer na região investidores com grande capacidade ou seja com investimento seguro que lhe permita instalar a curto ou médio prazo a fábrica requerida.
Chamado de “elefante grande adormecido” em termos de produção do palmar, borracha, café, rosas de porcelana, citrinos e outros produtos, que podem ser transformados na província, a falta de electrificação da zona constitui até ao momento um dos principais empecilhos à instalação de unidades fabris.
Para inverter o quadro, um conjunto de acções estão a ser desenvolvidas entre o governo da província e o Ministério da Energia e Águas no sentido de instalar a rede eléctrica na região.
Ao radiografar o sector industrial na província, informou que, a par desta região, pode-se encontrar no Bengo uma área catalogada chamada “Pólo Industrial” no município do Dande, onde estão localizados os pólos do
Paranhos e de Lembeca.
São áreas que ainda não mereceram o tratamento que se exige em termos de instalação de pólos, por serem regiões relativamente acidentadas, e também devido ao facto da província geograficamente ser acidentada e irregular do ponto de vista dos solos.
Por esta razão, a instalação de indústrias nesta área exige alguns requisitos que devem ser estritamente cumpridos.
Com cerca de dois mil e 500 hectares, o pólo do Paranhos que já conhece alguma infra-estruturação, está a ser preparado para a instalação de indústrias de materiais de construção civil e já está a receber alguns industriais.
Já o de Lembeca, com 573 hectares, preparado para instalação de indústrias agro-alimentares, não mereceu qualquer infra-estruturação, devido à situação dos solos irregulares, pelo que os especialistas do sector sugerem a localização de um outro espaço.
No Bengo, o sector industrial controla 107 unidades industriais, das quais 72 em funcionamento e 36 paralisadas devido à situação económica e financeira que retraiu o ambiente de negócios.