A construção das infra-estruturas integradas da cidade do Lubango, em curso desde Dezembro de 2017, encontra-se na ordem dos 70 por cento da sua execução, informou na passada segunda-feira, o governador da Huíla, Luís Nunes.
Falando aos jornalistas no final de uma jornada de campo de avaliação das obras das estradas Machiqueira/Benfica, Aeroporto/Eiwa, Hospital Pediátrico/N’gola, Banco Sol/Ferrovia e Arco-Íris/Boca da Humpata, o governante manifestou-se satisfeito com o andamento das mesmas.
Luís Nunes afirmou estar a decorrer o trabalho construção de pontes nalgumas zonas para alargar o perfil da estrada, assim como a implantação de passeios, terraplenagem, redes técnicas, infra-estruturas de saneamento para o escoamento de águas pluviais e iluminação pública.
“Dentro de pouco tempo os munícipes terão uma cidade diferente, com trânsito a fluir como deve ser, e acreditamos que a imagem da cidade do Lubango vai mudar. Nós temos algumas obras que vão ser inauguradas em 11 de Novembro próximo”, disse.
Fez saber que o trabalho está a ser feito por etapas, para não fechar toda a urbe, o que causaria constrangimentos na mobilidade de pessoas e viaturas.
Orçadas em 212 milhões de dólares, a empreitada tem um prazo de execução de 36 meses e prevê intervenções em 100 quilómetros de estrada.
Com uma superfície territorial de três mil e 140 quilómetros quadrados, a cidade do Lubango tem uma população estimada em 776 mil 249 habitantes.
Por falta de recursos financeiros encontram-se paralisadas as obras da circular da cidade do Lubango, estrada Caconda-Chipindo, a construção de duas barragens sobre o rio Caculuvale (Chibia e Gambos) e outra sobre o rio Mukufi (Lubango).