O municipio da Cameia, que dista 106 quilómetros da cidade do Luena, está a crescer com a construção e reabilitação de novas infra-estruras socias no âmbito do programa de investimentos públicos e de combate a fome e pobreza.

Na Cameia, estão a ser construídos e reabilitados escolas, centros de saúde, 200 fogos habitacionais, esquadra policial, residências para idosos, professores, enfermeiros e autoridades tradicionais.

As novas infra-estruturas sociais erguidas pelo Governo, estão a mudar a imagem do município e a contribuir para o desenvolvimento e o bem-estar económico e social da população.

O administrador municipal da Cameia, Rodrigues Chipango disse à nossa reportagem que o programa de construção e reabilitação de infra-estruturas do Executivo tem permitido a execução de muitas acções em prol da população a nível do município.

Rodrigues Chipango reconheceu que, hoje, a população da Cameia não tem motivos para percorrer longas distâncias em busca de serviços sociais básicos, porque o Governo tem construído em todas as localidades escolas e unidades sanitárias para atender as comunidades.

Foram construidos na Cameia durante 12 anos de paz um hospital municipal com 62 camas, 9 postos de saúde, casa para mulheres gestantes, um centro materno-infantil, campo multiuso, lar de idosos com 25 residências, um mercado municipal e 15 escolas para o ensino primário, primeiro ciclo e secundário.

Até ao final do terceiro trimestre do ano em curso, o município vai contar com quatro novas escolas com 10 a 14 salas de aula cada, que vão absorver mais crianças que estão fora do sistema de ensino.

Investimentos públicos
Ainda no programa de investimentos públicos, está a ser construida na sede da Cameia uma esquadra da Polícia Nacional e a conclusão numa primeira fase de 100 fogos habitacionais das 200 previstas.

No cumprimento do programa municipal integrado de desenvolvimento rural e de combate à pobreza está em curso a construção de mais de 20 casas evolutivas, duas residências para enfermeiros, duas para os sobas das localidades de Chijimbeji e Mucapa e posto de saúde no Mucapa.

No que toca ao programa “Àgua para Todos” está em carteira um projecto para a construção de dois sistemas de distribuição de água nas localidades de Mafanda Nhaculanda e de um bairro dos idosos que deve iniciar no próximo mês de Julho.

Preocupado com o sector da educação no município, o administrador afirmou que foram matriculados em todos os subsistemas de ensino 12.043 alunos e 894 ficaram fora do sistema de ensino por falta de salas de aula suficientes em algumas localidades.

Sector da educação
As crianças que ficaram fora do sistema de ensino, na sua maioria residem na zona Sul do município, mais concretamente nas localidades de Cahona, Mucapa, Caliamba onde as vias de acesso ainda constituem motivos de preocupação.

Cameia conta com 295 professores e para atender toda a extensão do território precisa de mais 50 novos professores para corresponder com o número de escolas que foram construídas.

O segundo ciclo do ensino secundário está no seu segundo ano de funcionamento com 268 estudantes que vão concorrer a vagas de ingresso para o ensino superior em 2017.

O programa de merenda escolar abrange 3.792 crianças a nível do município,s disse o administrador municipal que prevê no próximo ano estende-lo as demais localidades.

Programas de saúde
No que toca ao sector da saúde, o município conta com 77 enfermeiros e três médicos dos quais dois expatriados e um angolano e está com falta de médicos nas especialiddaes de cirurgia, genecologia e de um anestesista para atender o bloco operatório
O paludismo, infecções respiratórias agudas, parasitas intestinais, doenças diarreicas agudas e infecções de transmissão sexual fazem parte das patologias mais frequentes na região.

No domínio da energia, existe um grupo gerador que fornece corrente eléctrica apenas na sede do município e bairros perifericos.