Em declarações à Angop, o secretário de Estado revelou que, na qualidade de presidente do referido projecto, Angola vai fazer consultas aos outros estados membros, para se inteirar do andamento dos trabalhos, trocar impressões e informação.
Manuel Augusto, que se faz acompanhar nesta missão pelo secretário de Estado do Turismo, Alfredo Kaputo, técnicos dos dois Ministérios e altos funcionários da Presidência da República, é portador de mensagens escritas do ministro das Relações Exteriores, Georges Chikoti, para os seus homólogos da Namíbia, Zimbabwe, Zâmbia e Botswana.
O projecto Okavango-Zambeze é dos maiores e mais ambiciosos projectos turísticos do mundo, uma iniciativa com objectivos múltiplos que inclui parte do território destes cinco países da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC).
Entre os objectivos destacam-se a partilha de benefícios provenientes dos recursos da biodiversidade, através das melhores práticas de gestão, conservação, turismo e de oportunidades alargadas de meios de subsistência para as populações das áreas circunscritas.
Para sua materialização, os países membros assinaram em 2011, em Luanda, o Tratado ATFC Kaza, que estabelece a área transfronteiriça de conservação, numa extensão de 278 mil quilómetros quadrados, dos quais Angola possui 87 mil, numa parcela da província do Cuando Cubango, integrada pelos municípios do Cuito Cuanavale, Mavinga, Rivungo, Dirico e Nankova.

Estratégia do projecto

Dados indicam que o projecto Transfronteiriço Turístico Okavango-Zambeze (ATFC Kaza) é uma iniciativa dos cinco países da região, nomeadamente Angola, Botswana, Namíbia, Zâmbia e Zimbabwe, que pretendem estabelecer uma área de conservação e de turismo na região, situada entre as margens dos rios Kubango e Zambeze, no contexto do desenvolvimento sustentável e das Áreas Transfronteiriças de Conservação.
Inicialmente, surgiu como projecto Ouzit (Ouzit-Okavango Upper Zambezi International Tourism Initiative) – iniciativa de turismo internacional do Kubango e Alto Zambeze – lançada, em 1993, como um conceito para um santuário de vida selvagem, localizado no contexto das bacias hidrográficas do Okavango e Zambeze.
O Kaza liga 36 áreas de conservação a nível dos países membros, e é um dos maiores recursos de água doce a nível mundial. Alberga a maior população de elefantes a nível mundial, estimados em mais de 250 mil , e contém várias espécies raras em vias de extinção.
O projecto é o maior destino eco-turístico a nível mundial. O Kaza é detentor de uma série de atracções conhecidas mundialmente, como por exemplo as Quedas de Victoria Falls, no Zimbabwe, Delta do Okavango (Botswana), Parque de Bwabwata (Namíbia), Parque de Kafue (Zâmbia) bem como o Parque de Luengue-Luiana (Angola).