O projecto Cacanda, em curso na província, vai revitalizar a agricultura em toda a extensão territorial e trazer ganhos às populações

Apesar da Lunda-Norte ainda constituir-se numa região potencialmente diamantífera, o governo local está a implementar vários projectos económicos fora deste sector. Pretende-se com isso atingir o desenvolvimento apostando em outras actividades económicas, como agricultura, pecuária, indústria, sector da madeira e outros.

Localizada na zona leste de Angola, grande parte da população da região (estimada em cerca de um milhão de habitantes) reside no meio rural onde a maioria dedica-se ao garimpo.

Por isso, o executivo local liderado por Ernesto Muangala, em parceria com os agentes privados ligados ao ramo agrário, quer inverter o quadro criando bases técnicas, facilidades de financiamento de projectos agrícolas, disponibilidade de sementes para possibilitar o incremento da produção de alimentos.

Os tubérculos como a mandioca, batata-doce que, actualmente, representam 30 por cento dos campos de cultivo têm a primazia por ser o alimento básico na zona.

Dadas as condições climatéricas e os solos férteis, há a pretensão de se produzir em grande escala o arroz, leguminosas, horto-frutícola, no caso de citrinos, mangueiras e outros. Está também em curso a implantação de projectos virados à multiplicação de animais para o desenvolvimento e maneio de gado bovino e caprino.

Criação de cooperativas

Um dos primeiros passos dado pelo executivo para solidificar o projecto foi organizar os camponeses em associações. Calcula-se actualmente um número de 519 associações, 97 cooperativas, perfazendo um universo de 34 mil 602 associados, além de 58 pequenos e médios agricultores. Neste momento estão a ser preparados 600 mil hectares de terra, cuja lavoura está a cargo de duas brigadas de mecanização agrícola da Direcção Provincial da Agricultura, Desenvolvimento Rural e das Pescas. Em termos de animais, a província tem um total de 21 mil 418 de gado bovino, enquanto o caprino 14 mil, suíno 21 mil 912, ovino 19 mil 405, aves 37 mil 95, bezerro 340 e toros 40.

O vice-governador para Área Económica e Social, Porfilio Muacassanje, formado em economia, disse que a população animal na Lunda-Norte vai aumentar, nos próximos dois anos, para 200 por cento, devido aos investimentos que estão a ser levados a cabo.

Projecto Cacanda

Representantes do Ministério da Agricultura, Desenvolvimento Rural e das Pescas assinaram a 9 de Setembro passado um auto de consignação de um contrato com a empresa israelita Agrarius Limited para a exploração agrícola da fazenda Cacanda.

O empreendimento agrícola que ocupará uma área de 400 hectares está localizado a quatro km da cidade do Dundo, e terá um investimento na ordem dos 29 milhões de dólares, financiados através de uma linha de crédito de Israel. Uma vez tratar-se de um projecto de grande dimensão poderá revitalizar o sector agrícola na zona leste do país. Muitos agricultores vão ser formados e apoiados com novas ferramentas de trabalho.

No entanto, estão previstos também a criação de cerca de mil novos postos de trabalho directos e três mil indirectos.

Embora o projecto vigore há mais de 40 anos, pretende-se introduzir serviços antes inexistentes como fábrica de rações, matadouros e oficinas.

Consta também a construção de um centro de formação agrícola, de insumos, áreas administrativas e a construção de quatro residências para trabalhadores.

O projecto inclui a criação de gado para corte e de frangos para a produção de ovos e de carne e horticultura, com especial ênfase para a cultura do milho e soja.

Arranque

No âmbito do contrato de consignação a Cabe Agrarius Limited tem a responsabilidade de gerir, reabilitar e modernizar o projecto, num período de até 30 meses. Deste tempo, os primeiros 18 meses incidirão sobre a reabilitação e os 12 restantes serão para a gestão assistida à operação no cultivo do campo, pecuária e formação dos gerentes locais para a administração da propriedade no futuro.

Para esta empreitada, a empresa contará com especialistas em engenharia civil, administração, agronomia, veterinária, além de técnicos nas áreas de cultivo.

Os trabalhos iniciais já estão em curso como a elaboração do projecto físico, contratação do pessoal e a preparação da terra. Os gestores do empreendimento estimam para uma primeira fase a produção de mais de cinco milhões de ovos por ano e a criação de cerca de mil cabeças de gado num prazo de três anos. Também haverá o incremento da produção de legumes em toda a província.

Aproveitamento madeireiro

Na zona existe uma densidade de árvores frondosas localizadas ao longo dos rios, onde se destacam as espécies Mussivi, Nuvuca, Mucula e Sanga com um valor comercial. Esta, também, é uma das apostas do governo local com vista ao desenvolvimento da área florestal.

As autoridades governamentais locais estão igualmente a incentivar e incrementar a produção do mel e criar condições para o surgimento de uma indústria transformadora deste produto.

O JE constatou que a existência de vários rios e lagos está a motivar a prática da pesca artesanal.

Agrarius Limited

Criada pelo grupo Israelita LR, Agrarius Limited possui uma vasta experiência no planeamento de projectos agrícolas duradouras e auto-sustentáveis.

A empresa proporciona serviços de construção, reabilitação e gestão de projectos, fornecimento de modernas soluções agrícolas e agro-industriais, bem como de centros de formação e consultoria.

As áreas de actuação abrangem o sector agro-pecuário, avicultura, piscicultura, horticultura, instalações industriais e soluções de irrigação.

Arroz

O município de Chamuteba será, futuramente, a “rainha” do arroz na região. A empresa Max Angola implementa naquela região o cultivo do cereal numa área de 200 mil hectares, estando 120 mil já plantada.

O vice-governador para Esfera Económica e Social, Porfilio Muacassanje, disse que o projecto vai proporcionar cinco mil empregos directos e 200 mil indirectos.

Bell Máquinas

A Bell Máquinas é uma empresa que aposta no desenvolvimento agrícola, segundo o engenheiro agrónomo Zeferino Mahenga, sócio da firma. Na localidade de Cambulo, a empresa prevê erguer brevemente uma fábrica de transformação de milho para a farinha com capacidade de produção de cinco mil sacos de 50 quilos de fuba por mês. A unidade está orçada em mais de oito milhões de dólares. Para sustentar o projecto, estão a ser preparados mil hectares para o cultivo de milho, cujo investimento vai consumir quatro milhões de dólares, faseadamente.

Em relação ao projecto da criação e multiplicação do gado está avaliado em cerca de três milhões de dólares.

Ainda na circunscrição do Cambulo será erguida uma escola para formação e superação de técnicos básicos da agricultura. Todos os projectos vão proporcionar emprego a 200 pessoas.

Parceria com a Namíbia

Brevemente, a Empresa Namibiana Oshakati Liverstock Center vai estabelecer com o governo provincial da Lunda-Norte assessoria técnica de alguns projectos agro-pecuários.

A assistência incidirá sobre o fornecimento de animais como gado bovino com vista à multiplicação de espécies e aumentar a oferta de carne no mercado, além de reduzir a importação do efectivo bovino. Também vão formar especialistas ligados ao ramo veterinário.

Leia mais sobre outras notícias na edição impressa do Jornal de Economia & Finanças desta semana, já em circulação