O Instituto de Promoção do Comércio e do Investimento de Macau (IPIM) organiza, no próximo mês, em Macau, o VIII fórum internacional sobre Investimento e Construção de Infra-estruturas nos países de língua portuguesa.   
A decorrer sob o tema “Construir em conjunto infra-estruturas diversificadas, inovadoras e sustentáveis”, o evento reunirá personalidades internacionais da vida política, económica e académica e contará com a presença de responsáveis de diversas instituições bancárias dos referidos países e da China.
De acordo com uma nota a que o JE teve acesso, os representantes dos países convidados participarão no seminário sobre cooperação entre a China e os Países de Língua Portuguesa em matéria de capacidade produtiva e serviços financeiros.
O IPIM refere que estarão presentes no encontro responsáveis do Banco Mundial, Banco Asiático de Desenvolvimento (ADB), Banco Asiático de Investimento em Infra-estruturas (AIIB), African Export-Import Bank, Banco Africano de Desenvolvimento, Banco Islâmico de Desenvolvimento, China Development Bank (CDB), Export-Import Bank of China, China Export & Credit Insurance Corporation, China-AfricaDevelopment Fund, China-Latin American Cooperation Fund e China-Africa Fund for Industrial Cooperation (CAFIC).
No fórum terão lugar sessões temáticas para debater como a construção de infra-estruturas e desenvolvimento industrial, a inovação financeira e cooperação em investimento industrial, cidades inteligentes e o desenvolvimento de infra-estruturas sustentáveis, uma iniciativa da China “ Uma faixa e uma rota”.
Durante o fórum será dado mais um passo no estabelecimento em Macau da sede do Fundo da Cooperação para o Desenvolvimento entre a China e os Países de Língua Portuguesa anunciado em Macau em Novembro de 2010 durante a 3.ª Conferência Ministerial do Fórum de Macau, refere o documento.
O IIICF é realizado sob a orientação do Ministério do Comércio da República Popular da China, do Governo da Região Administrativa Especial de Macau (RAEM) e do Gabinete de Ligação do Governo Popular Central em Macau, e organizado conjuntamente pela Associação dos Construtores Civis Internacionais da China e pelo Instituto de Promoção do Comércio e do Investimento de Macau (IPIM).
Dados recentes  indicam que o valor das  trocas comerciais entre a China e a CPLP ascenderam, no I trimestre em 61,32 por cento para 5,55 mil milhões de dólares (cerca de 927 mil milhões de kwanzas) em relação ao mesmo período do ano passado.
Naquele período, as exportações para a China cresceram em 66,01 por cento, para 5.14 mil milhões de dólares (cerca de 870 mil milhões de kwanzas), face a importação de bens no valor de 412 milhões de dólares (cerca de 69 mil milhões), mais 19,28 por cento .
Em 2016, entre os países africanos, Angola continuou a dominar a balança comercial. A  China, entre janeiro e novembro,  vendeu bens avaliados em 12,6 mil milhões de dólares, contra 1.58 dos produtos comparados a actual segunda maior economia mundial.
Neste período, o comércio entre os dois países caiu 22,1 por cento.