As províncias de Luanda (Talatona e Viana) e Benguela vão ganhar novas infra-estruturas residencias integradas por zonas de serviços

Até finais de 2011, as provinvias de Luanda e Benguela vão ganhar novos condomínios residenciais de médio e alto padrão, num investimento total avaliado em 127 milhões de dólares. As obras a cargo da empresa Maexpa Angola pretendem incorporar todos os serviços sociais e de lazer que padronizam a estrutura dos condominios fechados.

Os projectos imobiliário de Luanda, além de Talatona, incluem um outro localizado em Viana. Em todos estes, os recursos financeiros para execução são provenientes de financiamentos e capital próprio.

A Maexpa, empresa de capitais 100 por cento angolano, e que representa um volume de negócios estimado em 230 milhões de dólares, desenvolve projectos de engenharia e arquitectura de grande dimensão no país, e aposta no solucionamento das carências habitacionais.

Segundo o presidente de Conselho de Administração da empresa, José Manuel Oliveira Fernandes, o objectivo é garantir habitações de médio e alto padrão e a preços de mercado, garantindo, deste modo, o aumento da oferta de casas pelas provincias acima referenciadas.

Imbondeiro Palace

O empreendimento Imbondeiro Palace é um condomínio residencial privado de casas de alto luxo situado em Luanda sul. Para este projecto, foram investidos 80 milhões de dólares e estará disponível em finais de 2011. O mesmo dispõe de acessos rápidos, e integra 200 apartamentos, 2 espaços comerciais, distribuidos em 6 edificios. Oferece ainda espaço de lazer para crianças e adultos, como piscinas comuns e quadras desportivas.

Os apartamentos concebidos nas tipologias T1, T2, T3 e T4 ocupam uma área de construção entre 80 e os 300 metros quadrados, e serão comercializados aos preços que vão de 370 a 650 mil dólares. Todos os apartamentos dispõem de lugar para parqueamento na cave, com acessos assegurados por elevadores.

Benguela Place

Por sua vez o condomínio Benguela Place, cujas obras tiveram início em Janeiro do ano passado, vai estar disponível em finais de Julho de 2011. Integrado por 85 casas, este imobiliário foi concebido para responder ao padrão de exigências do sector, conjugando a sua concepção com os valores locais, pois inclui 4 espaços comerciais, distribuidos pelos 11 pisos. Destes, dez pisos são habitacionais e um (r/c) piso comercial.

O projecto representa um investimento de 27 milhões de dólares, com apartamentos em tipologias T1 a T4 e vão custar aos interessados desde um minímo de 270 mil aos máximos de 650 mil dólares.

Localizado a poucos metros do mar, O benguela Place foi concebido pela exigência e uma fascinante arquitectura moderna, com acabamentos de alta qualidade. O edifico foi idealizado, valorizando a qualidade, o lazer e a exclusividade.

Todas as fracções dispõem de instalação de ar condicionado, piso flutuante em madeira e banheira de hidromassagem nas suites entre outros pormenores, o que eleva o bem-estar no seu interior.

Viana Village

Ainda na perspectiva de reduzir o défice habitacional, a empresa empreende construir em Viana um condomínio com 62 moradias, numa área de construção estimada em 500 mil metros quadrados. A obra de padrão diferenciado e com uma moderna arquitectura apresenta-se nos tipos V1, V2, V3 e V4. Com custos estimados entre os 300 e 420 mil dólares, prevê-se a conclusão das obras para finais de 2012.

Projectos em carteira

O responsável adianta que a empresa desenvolve a sua actividade com especial enfoque na província de Luanda, dadas as configurações actuais que o mercado imobiliário apresenta nesta localidade, mas também possui actividades em outras províncias, entre as quais Benguela e Huambo, onde nos próximos tempos vai também lançar projectos de construção de edificios habitacionais, integrado por 80 apartamentos.

A execução de todos estes projectos têm sido condicionados por diversas dificuldades. Dentre elas, consta o facto de o mercado disponibilizar fraca mão-de-obra especializada, para a execução das obras. Outro realce também para as dificuldades de pagamentos pelos clientes, em função da pouca circulação dos meios monetários no mercado local e internacional.

Deste modo, a empresa definiu como principal objectivo, a curto prazo, terminar os projectos em andamento, e numa perspectiva de médio prazo vai direccionar os projectos a iniciar para o segmento de classe media, que de certa forma está a surgir no país.

Criada em 2006, a Maexpa – Angola possui como actividade principal a promoção imobiliária. O grupo pretende crescer no segmento local e cimentar as suas bases de operação do mercado nacional e internacional, além de continuar a empreender novos projectos, para certificação da sua capacidade e idoneidade profissional.

Leia mais sobre outras notícias na edição impressa do Jornal de Economia & Finanças desta semana, já em circulação