m projecto transfronteiriço de abastecimento de água canalizada para as localidades de Calueque, Santa Clara e Naulila, em Angola, e do Norte da vizinha República da Namíbia, começa a ser implementado, a partir do rio Cunene.
Orçado em 7,5 milhões de euros, a iniciativa está a ser implementada no quadro de um acordo entre os dois países, que visa melhorar a qualidade de vida das populações limítrofes.
A obra com duração de 12 meses foi financiada pelo banco alemão KFW e apoiada pela SADC.
O lançamento da primeira pedra das obras foi efectuado na passada quarta-feira, na localidade de Calueque, no município de Ombadja, Cunene, pelos ministros da Energia e Águas de Angola e das Minas e Energia da Namíbia, João Baptista Borges e Obeth Kandjoze, respectivamente.
Presenciaram também o acto os ministros da Economia, Abrahão Gourgel e da Agicultura, Marcos Nhunga, e da vice-ministra da Agricultura na Namíbia, Obeth Kandjoze, além ainda do governador do Cunene, Kundi Paihama.

Projecto
A iniciativa compreende a captação da água a partir do rio Cunene, seu tratamento e uma rede de distribuição para a população que habita a localidade de Calueque e as localidades namibianas situadas na fronteira, e quando estiver concluído vai beneficiar mais de 4.500 habitantes de Calueque e Naulila.
Do montante total, cerca de 4,6 milhões de euros vão ser destinados para o abastimento de água à Calueque e zonas vizinhas da Namíbia, enquanto a parte restante vai ser aplicada na extensão da linha de água para a localidade de Naulila e a construção uma rede de distribuição em Santa Clara, a partir de Ondjiva, abastecido pelo projecto “Água do Xangongo”.
De acordo com o ministro da Energia e Águas trata-se de um projecto integrado no programa de desenvolvimento do sector das Águas e de extensão do abastecimento às populações, dadas as secas constantes que afectam a província do Cunene.
João Baptista Borges disse que o objectivo é de que se deixe de observar os movimentos migratórios das populações dessas zonas à procura de água no tempo de estiagem.
Nesta empreitada vai ser constuída uma linha de cerca de quarenta quilómetros que vai ligar Calueque à Naulila, que, além de abastecer água às populações e ao gado, vai poder irrigar campos para a prática de agricultura.

Mais-valia
Na ocasião, o ministro namibiano das Minas e Energia, Obeth Kandjoze, disse que o projecto é de grande importância, uma vez que vai permitir que a água chegue em quantidade e qualidade à população da zona Norte do seu país.
“O fornecimento de água é fundamental para o desenvolvimento dos dois países. O Governo da Namibia considera que é importante o processamento desta cooperação porque reforça os laços de amizade”, reconheceu o governante, para quem o seu país é um dos pontos do mundo om graves problemas de escassez de água.
Já a vice-ministra da Agricultura, Águas e Florestas da Namíbia, Anna Shiweda, atribuiu grande importância ao projecto, ao referir que mais de 65 por cento da população da região Norte daquele país depende inteiramente da água proveniente de Calueque.