A descentralização da banca para facilitar o financiamento dos créditos é uma acção que o presidente da AAPCIL defende, com vista a “banir” os actuais constrangimentos.
Paulo Gaspar é de opinião de que, a nível regional haja a concessão de créditos que poderá cobrir pequenos projectos, e que não dependam do aval das sedes dos bancos, localizados em Luanda.
O responsável é de opinião que os projectos cujo crédito é inferior a um milhão de dólares deveriam ser aprovados de forma regional.
“Maior parte dos bancos tem directores regionais, no qual a Huíla se destaca, mas o que acontece é que estes responsáveis não têm poder, nem para decidir às vezes, um empréstimo imediato, de por exemplo, o equivalente a 30 mil dólares”, informou.

Subvenção dos Combustíveis
A subvenção dos combustíveis agrícolas anunciada pelo Executivo é um “grande” incentivo e que vai reduzir os custos e aumentar a produção em grande escala no sector agrícola.
Apesar de o problema ser abrangente e nacional, o responsável da AAPCIL referiu que a organização tem abordado com o Governo para solucionar esta situação.
“Por aquilo que consta, já se criou a legislação para a subvenção do chamado combustível verde ou agrícola e industrial. Se assim for, acreditamos que ainda este ano entrará em vigor, e vai resolver um grande problema”, advogou.
O gestor informou que grande parte dos agricultores da província da Huíla está a produzir com pivôs “que consomem muito diesel, e se não haver subvenção fica difícil para os nossos produtores, competirem com os da SADC.

Apoios
Sublinhou que o Programa de Apoio à Produção, Diversificação das Exportações e Substituição das Importações (PRODESI) prevê o apoio aos produtores.
Paulo Gaspar quer maior fiscalização aos programas que estão a ser desenvolvidos.
“Tivemos o Angola Investe, que era um bom programa. Falhou na fiscalização”, disse, depois de frisar que que se este “novo programa não tiver fiscalização irá falhar também”. AM