A província de Malanje quer contar com o “know-how” da região do Alto Minho, em Portugal, para potenciar a agricultura com vista a diminuir as importações de produtos que a região pode colher em grande escala, dadas as suas potencialidades.
Para o efeito, uma delegação encabeçada pelo governador provincial de Malanje, Norberto Fernandes dos Santos “Kwata Kanawa” manteve um encontro na passada terça-feira, em Portugal, com o presidente do Conselho Intermunicipal do Alto Minho (Portugal), José Maria Cunha Costa, onde assinaram uma carta de intenção de cooperação.
Segundo uma nota do governo provincial de Malanje a que o JE teve acesso, o documento prevê programas comuns de desenvolvimento regional nos domínios da agricultura, turismo, educação e ensino superior e técnico.
Para o governador provincial de Malanje foram identificadas áreas de interesse comum e muito em breve uma delegação da Comissão Intermunicipal do Alto Minho desloca-se a Malanje para a concretização das intenções.

Alavancar as economias
Além da formação profissional, o governante apontou a agro-pecuária como a área de interesse para Malanje, província essencialmente agrícola.
“Estamos numa fase em que queremos produzir todos os alimentos e deixar de importar o que podemos fazer em Angola, particularmente, na
província de Malanje”, disse.
Acrescentou que a região “é muito turística” e que os empreendimentos do turismo rural que visitou no Alto Minho “se encaixam em algumas áreas de Malanje”.
Segundo Norberto dos Santos “Kwata Kanawa”, as duas regiões poderão celebrar acordos de cooperação “ainda este ano ou no próximo”, fazendo depender a assinatura dos documentos da “calendarização” de uma visita de uma delegação do Alto Minho à província angolana.
No domínio da educação e ensino técnico profissional, por exemplo, jovens da província de Malanje formados nas áreas da agricultura, saúde e hotelaria e turismo poderão especializar-se em breve ou continuar os estudos em Portugal.
Para o governador, além dos cursos médio e superior, a prioridade será igualmente os cursos profissionalizantes com vista a necessidade de se dotar a província de técnicos dos mais variados níveis.
Na ocasião, “Kwata Kanawa” disse que, Malanje tem grandes interesses de cooperação nos sectores do turismo, educação e formação média,
superior e técnico-profissional.
O governador de Malanje referiu que a criação de mais centros de formação profissional “é um dos grandes objectivos da província”, por considerar que as estruturas actualmente a funcionar são insuficientes.
“Temos uma população jovem. Nem todos podem ser engenheiros ou doutores, mas se tiverem acesso a um centro de formação podem aprender uma profissão”, especificou, tendo adiantado que “há possibilidade” de o governo provincial “enviar jovens para escolas agrárias e centros de formação profissional” que funcionam no distrito de Viana do Castelo.

Parceria
A delegação que acompanha o governador da província de Malanje manteve reuniões de trabalho com representantes de várias indústrias instaladas na região, com destaque para a “Incubo” e a estação vitivinícola “Amândio Galhano” além da escola superior agrária.
Segundo o documento “o governo provincial de Malanje e o Conselho Intermunicipal do Alto Minho desenvolverão programas e projectos de desenvolvimento regional, formação e capacitação de quadros, intercâmbio cultural, artístico, musical, desportivo e turístico com vista a desenvolver uma parceria efectiva”.
“As partes afirmam ainda a sua vontade de, num futuro breve, celebrarem ao abrigo do Direito Internacional e Nacional das partes, um Acordo de Cooperação”, lê-se na nota.
A delegação angolana visitou igualmente, a Casa da Reina, uma unidade de agro-turismo e a uma estufa de produção de aromáticas.
Conhecida como a província da Palanca Negra Gigante, tem uma área de 98.302 quilómetros quadrados e uma população estimada em 998 mil habitantes.
É constituída pelos municípios de Cacuso, Caombo, Kalandula, Cambundi-Catembo, Cangandala, Cuaba Nzogo, Cunda-Dia-Baze, Luquembo, Malanje, Marimba, Massango, Mucari, Quela e Quirima. Malanje é uma província essencialmente agrícola. O turismo é diversificado.
* Com Agências