O governador de Malanje, Boaventura da Silva Cardoso, pediu nesta quarta-feira, nesta cidade, a colaboração da classe empresarial local no processo de reconstrução, com vista a uma mudança rápida do actual quadro económico da província.

Falando durante um encontro de auscultação com os empresários e agentes económicos de Malanje, Boaventura Cardoso disse ser necessário maior engajamento desta classe no processo de reconstrução nacional, rumo ao desenvolvimento.

O governante reconheceu que a realidade da classe empresarial malanjina é “crítica”, fruto do conflito armado que assolou particularmente a província, mas, apesar disso, afirmou, a região tem grandes potencialidades económicas que podem servir como instrumentos catalisadores para a mudança.

Reconheceu ainda que em consequências da guerra, grande parte dos agentes económicos estão descapitalizados e para inverter a situação pretende-se negociar com instituições financeiras para a disponibilização de recursos e outros incentivos financeiros, tendentes a auxiliar alguns empresários.

“Agora que estamos em paz, podemos inverter esta situação, temos todas as condições para ganhar esta batalha, mas isto requer muito esforço, empenho e imaginação”, frisou.

Fez saber que o seu executivo foi notificado sobre a intenção do Banco de Desenvolvimento de Angola (BDA) em abrir uma agência nesta cidade, que, para o governador, será uma mais valia para o empresariado local na cedência de créditos para projectos.

Entretanto, o governador Boaventura Cardoso alertou os empresários a investir na formação e capacitação, afirmando que o mundo da concorrência exige superação permanente para lidar com os diferentes géneros de negócios.

Na província de Malanje estão registadas sete associações económicas, nomeadamente Associação dos Comerciantes e Industriais, dos agricultores, das mulheres empresárias, a Cooperativa do Planalto de Camabatela e a Câmara de Comércio e Indústria de Malanje.

Este é o primeiro encontro promovido pelo Governo da província de Malanje, no quadro da nova governação.