Para tal, uma campanha de substituição de lâmpadas incandescentes por ourtas ecológicas decorre e com bastante sucesso.
Segundo apurou a Angop na província, seis mil lâmpadas incandescentes das 15 mil disponibilizadas foram trocadas por ecológicas em várias residências da província, durante a segunda fase da campanha de redução de consumo de electricidade aos clientes, que a Empresa Nacional de Distribuição de Electricidade (ENDE) leva a cabo desde Março.
O projecto prevê beneficiar 35 mil clientes dos municípios de Malanje e Cacuso, segundo disse o responsável de comunicação e imagem.
Leandro Congo explicou que a troca de lâmpadas é gratuita e abrange apenas os clientes que dispõem de contratos, com o direito de trocar até 10 lâmpadas convencionais por residência.
Referiu que as luminárias recolhidas em residências da cidade serão recicladas para a produção de lâmpadas ecológicas.
Leandro Congo explicou, por outro lado, que as lâmpadas ecológicas são económicas, produzem menos calor, custos e boa luminosidade.

Benguela segue

Já em Benguela e no quadro da campanha que também decorre na província um total de 20 mil lâmpadas ecológicas de 11 watts estão a ser distribuídas, gratuitamente, aos clientes da Ende, visando a substituição das incandescentes de 100 w, no âmbito da campanha de sensibilização “Onda verde”, destinada a alcançar maior racionalização do consumo.
Segundo o técnico da Ende, Albino Tunga, que falava à margem da realização da Feira de Benguela, onde a empresa montou seu stand, a Onda verde é um programa de iniciativa do Ministério da Energia e Águas, que prevê oferecer, em todo território nacional, dois milhões destas lâmpadas em substituição das habituais incandescentes, como forma de incentivar as pessoas a aderirem a esse novo modelo.
“Aqui em Benguela, nesta primeira fase, recebemos 20 mil lâmpadas ecológicas (brancas) que temos vindo a oferecer aos nossos clientes com consumo regularizado e, isso, de certo modo vai permitir que as pessoas notem as vantagens tanto económicas como de racionalidade de consumo, porque pouparão mais energia e gastarão menos nas despesas com a electricidade”, frisou.
Acrescentou que a ideia é transmitir essa mensagem às igrejas, às escolas primárias e às universidades, de maneira a atingir-se o maior universo possível de consumidores, para que a campanha possa ter o êxito desejado.