A governante, que falava no encerramento do seminário de formação básica e treinamento de aquicultura, sublinhou que o aumento do conhecimento sobre as técnicas melhoradas do cultivo das espécies aquáticas que ocorrem na água com ênfase para o peixe contribui igualmente para o desenvolvimento das comunidades rurais.
“O fomento da aquicultura através do Ministério das Pescas é uma prioridade do executivo que tem como fim a garantia da segurança alimentar das populações, diversificando a produção e complementando a renda das famílias no meio rural, com impacto na redução da pobreza por ser uma actividade geradora de emprego,” explicou.
Destacou que a acção formativa visa melhorar e obter maiores índices de produção, progredir em termos de processamento e a comercialização dos produtos aquícolas, perspectivando o desenvolvimento sustentável do subsector no país.
Victória de Barros sublinhou que o seminário oferece um soberano momento para transmitir através das diferentes temáticas que aqui foram ministradas, a importância desta actividade no desenvolvimento locais e não só, permitirá também a troca
da informação e partilha
de experiências.
A ministra das Pescas realçou que o fomento e desenvolvimento sustentável da aquicultura é crucial e considerado a nível mundial uma alternativa para o aumento do pescado oferecendo um enorme potencial para responder a procura de alimentos ricos em proteínas animal reduzindo as importações deste produto e aumentando as exportações do sector não petrolífero.
Neste contexto, prosseguiu, o envolvimento institucional no âmbito da investigação científica, formação de quadros, extensionistas, bem como o incentivo ao investimento privado para o desenvolvimento da aquicultura comercial e o fomento da da pequena produção comunal.
Apontou que a implementação das estruturas de apoio, como os centros de larvicultura de tilápia e estações experimentais, capacitadas para produzir os alevinos de cacusso vão contribuir para o fomento da piscicultura no país.
Para a ministra, a falta de ração apropriada apresenta-se como o maior constrangimento para o bom desempenho da actividade e esta formação apresenta como alternativa de matéria- -prima o aproveitamento que abunda no Cuanza Sul, como o milho, massambala, farinha de óleo de peixe, óleo de palma entre outros.
O governador da província do Cuanza Sul, Eusébio de Brito Teixeira, sublinhou no certame, a necessidade da aposta na aquicultura familiar, sem esquecer a empresarial, solicitando o apoio do Ministério para a assistência técnica e material.
O programa de formação abordou aspectos relacionados com a definição das diversas áreas da aquicultura, tipos de sistema e espécies alvos de cultivo, gestão da alimentação, qualidade da água, descrição das infra-estruturas aquícolas , bem como o cultivo da espirulina.
Beneficiaram-se do seminário que teve aulas teóricas e práticas cerca de 61 formandos.