A circulação automóvel na estrada de ligação da Samba à avenida Pedro de Castro Van Dúnem “Loy”, em Luanda, melhora em 24 meses.
O projecto de reformulação do nó de ligação foi apresentado no início desta semana pelo Ministério da Construção, que consignou as obras à empresa Tecnovia Angola.
Avaliada em 55 milhões de dólares (nove mil milhões de kwanzas), a nova rotunda vai encurtar o actual retorno, no Shopping Avenida, para quem do Benfica pretende dirigir-se à Samba (retorno que leva uns cinco minutos numa velocidade automóvel recomendada de 60 quilómetros/hora).
Na cerimónia em que esteve também presente o governador da província de Luanda, Higino Lopes Carneiro, os automobilistas apreciavam atentos, uns curiosos pela desinformação sobre o que ocorria e outros mais propensos à especulação.

Certo mesmo foi que do debate gerado no interior da viatura azul e branco, que percorria o trajecto Benfica/Mutamba, sobre a utilidade e constrangimentos que a obra pode vir a causar ao trânsito automóvel, Luís Costa, taxista há sete anos, não tem dúvidas que a alteração no troço vem em tempo útil, pois, segundo ele, as manhãs, quando o tráfego aperta, é uma dor de cabeça fazer-se ao retorno dos hipermercados Maxi e Candando, que chega a “roubar” uns 30 a 40 minutos na viagem do Benfica à Mutamba que ele calcula dever ser de pouco menos de uma hora.
No local, o JE soube que esta mudança que visa melhorar a mobilidade urbana na capital vai também ligar-se ao projecto de construção da segunda etapa da via marginal sudoeste. O troço vai ligar a Praia do Bispo à Corimba, iniciando-se pelo Mausoléu, far-se-a a passagem desnivelada na intercessão da Marginal com a estrada da Samba, isto já na zona da Corimba. Deste modo, o Governo acredita que vão ser eliminados os constrangimentos à circulação.
Já conforme fez referência a Angop o ministro da Construção, Artur Fortunato, a nova Marginal da Corimba fará a ligação rodoviária pela zona costeira, entre a zona Sul de Luanda e a Avenida Marginal 4 de Fevereiro. Vai permitir a melhoria do fluxo viário entre o centro da cidade e o Sul da província de Luanda, numa empreitada orçada em 142 milhões de dólares (23,4 mil milhões de kwanzas) e com duração de 18 meses. A China Railway 20 Group Internacional é a responsável pela execução do projecto e ao que se vê em algumas obras, como são os casos das construções dos viadutos do Kilamba, e o da zona da Unidade de Rádio patrulha (URP), onde participa, os prazos estão garantidos.
Na ocasião, foi também consignada uma terceira obra: a da construção de infra-estruturas integradas do Lar do Patriota.
Na segunda fase que já corre, pretende-se garantir mobilidade na zona dois do projecto residencial, em condições adequadas de conforto, segurança e fluidez. Esta empreitada ficou avaliada em 101 milhões de dólares (16,6 mil milhões de kwanzas).
Os projectos consignados estão em conformidade com o Plano Director de Desenvolvimento Metropolitano de Luanda.