O município do Soyo, na província do Zaire vai contar dentro de dois anos com uma nova urbanização de 400 residências, cuja primeira pedra para a sua edificação foi lançada pelo administrador executivo da Sonangol, Mateus de Brito.

Ao discursar no acto de lançamento da pedra, na presença do governador provincial do Zaire, José Joanes André,  o administrador executivo da Sonangol, EP, disse que a construção das residências nesta região visa diminuir a carência habitacional e concretizar o sonho da casa próprias aos angolanos.

Denominada Kinganga Mavakala, a nova urbanização resulta de um financiamento da Sonangol, accionista do Angolana LNG, e vai contribuir na melhoria das condições sociais das populações desta região.

Segundo Mateus de Brito, o projecto, cujas obras estão a cargo da empresa Omatapalo Engenharia e Construção Civil, vai ser erguido no prazo de 22 meses. “Existem todas as condições técnicas, humanas e financeiras para que o projecto seja edificado dentro de 22 meses”, sublinhou.

Projecto
Quanto à constituição do projecto, disse estarem acauteladas várias acções no domínio social, como construção de escola de ensino geral, biblioteca, sala de informática, pátios infantis, pavilhão multiuso e um estádio de futebol.

O projecto urbanístico contempla também a edificação de um complexo hospitalar subdividido em dois núcleos, sendo o primeiro um posto médico com serviços de clínica geral, banco de urgências, pediatria e serviços de apoio e o segundo compreende maternidade, consultas externa, ginecologia, bloco operatório e outros serviços.

Por sua vez, o governador do Zaire, José Joanes André, disse que a construção de mais 400 residências demonstra a vontade na resolução dos problemas habitacionais dos angolanos.

“Nos prometemos construir um milhão de casas, dai que estamos engajados em implementar as acções gizadas pelo nosso Executivo” acrescentou.

O governador garantiu que no quadro deste programa, o município do Soyo vai ganhar uma nova centralidade com seis mil fogos, cujos trabalhos técnicos e a mobilização da empreiteira estão em curso.