O combate as assimetrias regionais, no Moxico, são o foco do novo governador provincial, Gonçalves Manuel Muandumba. Ao discursar na cerimónia de passagem de pastas, perante os membros do governo cessante, Gonçalves Muandumba disse que a ideia é inverter e contrariar as assimetrias regionais, sendo este um dos objectivos do programa do Executivo.
“Moxico é a maior província de Angola, por isso precisamos do apoio da população para que haja um equilíbrio entre a extensão da região
e o seu progresso”, afirmou.
Segundo avançou, com sentido de responsabilidade e responsabilização “vamos trabalhar para e com o povo do Moxico, com vista a atrair aqueles que queiram
investir e promover a região”.
Muandumba disse contar com todos para a promoção do empreendedorismo, da economia, agricultura, agropecuária, cultura, turismo, formação profissional, educação e o desporto, combatendo a pobreza e a vulnerabilidade, assim
como promover a inclusão.

Visita de campo
Na sua primeira actividade de campo, o governador da província do Moxico, Gonçalves Manuel Muandumba, percorreu cerca de 15 quilómetro à pé, em algumas artérias da cidade do Luena, para avaliar alguns problemas que enfermam os munícipes
da cidade capital da província.
Gonçalves Manuel Muandumba passou pelos bairros Calungingi, Sangondo, Popular, Aço, Kwenha,
Bomba, Zorró e 4 de Fevereiro.
Um dos grandes problemas que aflige às populações prende-se com as ravinas que se têm alastrado em algumas zonas da cidade. No total são 14 ravinas espalhadas em diversos bairros.
O número de ravinas existente sobretudo na via que liga a Escola Superior Politécnica do Moxico ao centro da cidade, tem estado a ser reabilitada, sendo que algumas delas permitem a ligação entre
os bairros Zorro e Mãe Preta.
Já as ravinas localizadas nos bairros Calungingi, Sangondo, Popular, Aço, Bomba, Kwenha, Zorró e 4 de Fevereiro aguardam pela sua reabilitação,
para evitar riscos às famílias.

Prioridades
Em entrevista à imprensa, o director provincial cessante da Construção, Osvaldo Pinto, disse que o objectivo da visita é de constatar o estado actual das ravinas, constituem uma “grande ameaça” para algumas zonas da cidade capital da província.
Com o início da época chuvosa, avançou, a situação tende a agravar, tendo tranquilizado as populações de que o governo tudo está a
fazer para estancar a situação.
Neste momento, revelou Osvaldo Pinto, a maior preocupação prende-se com as “ramificações” das ravinas nos bairros Aço, Sangondo, Popular e Calungingi.