Com um porta-chaves na mão à saída da Bienal, Jorge Macambo em surdina comenta a boa iniciativa e qualidade dos brindes.
Em conversa descontraída alerta para a maior divulgação e valorização do produto angolano.
Encoraja e admira a capacidade,inventiva e genial das peças. “É preciso jovens com iniciativa, seguramente o país desenvolve a partir de coisas pequenas e ganhar dinheiro a mostrar Angola é bom”, disse. Um expatriado identificado por Jorge Gama, envolve-se na conversa e pergunta onde encontrar.
Dado o endereço, conta que pretende três brindes para levar a alguns familiares seus para conhecer a cultura de Angola.”Estes produtos têm uma qualidade, que nada perde com os do exterior”, além de considerar baratos. Também admira a criatividade do angolano, e confessa a sua surpreendido pela forma natural da envolvência do cidadão.
“ Há uma adesão no empreendedorismo, que vale muito valorizar” finalizou.“A cultura angolana é muito forte e rica, é preciso haver mais divulgação.”