As obras das infra-estruturas sociais em curso na província do Bié poderão estar concluídas no mês de Outubro. Os dados foram avançados durante a II reunião Ordinária Provincial de Auscultação da Comunidade, realizada na passada quinta-feira, pelo director do Gabinete de Infra-estruturas, Abel Guerra Paulo, tendo garantido que as obras em curso serão entregues dentro dos prazos previstos. A conclusão da estrada nacional 140, no troço Cuito/rio Buim, paralisada há dois anos foi retomada pela empresa Planasul e prevê conclui-la no mês de Outubro. “A estrada nacional 250, no troço Cuito/Camacupa foi retomada pela empresa Engevia. Aqui, vai levar mais tempo, porque são aproximadamente 60 quilómetros por asfaltar”, disse o director do gabinete de infra-estruturas Abel Guerra Paulo. Por concluir até Outubro, estão os 12 quilómetros de infra-estruturas integradas dos bairros Piloto e Castanheira. Nesta empreitada já foram asfaltados 11,5 quilómetros, iluminação das ruas do bairro Piloto e sinalização das ruas, obras com término para o mês de Agosto. Quanto às quatro grandes ravinas intervencionadas no bairro Cangangawe, na estrada nacional “EN 250” junto ao rio Cuito, e na comuna do Mumbwe têm a sua conclusão para Outubro. As obras de combate às ravinas na EN 250 junto da Centralidade do Cuito tem a sua conclusão prevista para o mês de Setembro. Na província do Bié contam-se, actualmente, 42 ravinas, sendo 14 delas de grandes dimensões, por se localizarem junto dos grandes centros habitacionais e redes viárias”, afirmou Abel Guerra Paulo.

Projectos habitacionais
Quanto aos projectos habitacionais, os membros foram informados das dificuldades e entraves que inviabilizaram, em parte as metas previstas. Dos projectos em curso na província, apenas um foi concluído 100 por cento, o projecto de 500 casas.
Os outros estão inacabados, como é o caso da centralidade do Cuito, que prevê a construção de 6 mil casas, e que actualmente estão prontas apenas 2.830, o programa 200 fogos previa construir 1.400 casas e tem apenas 896, e a centralidade do Andulo, que deveria ter mil moradias, tendo apenas 172. As centralidades do Cuito e do Andulo podem ver o projecto concluído com a chegada, há um mês, de material para o fabrico de moradias, no estaleiro da construtora Kora-Angola, no Cuito.

Infra-estruturas sociais
Durante a reunião, os membros foram ainda informados sobre o estado de execução das obras de 12 infra-estruturas sociais, escolas de 12 salas, construídas nos municípios da Nharêa, Cunhinga, Andulo, Cuemba, Chinguar, Camacupa e Cuito, cuja execução física está entre os 25 e 90 por cento.