O projecto “Comandante Gika” para uns e “Luanda Shopping” para outros, em obras há mais de seis anos,consta entre os maiores projectos imobiliários lançados na capital do país, nos últimos dez anos.
No Gika, as obras da travessa que dá acesso ao local estão interrompidas há um ano. Os dois sentidos, no pequeno troço com aproximadamente um quilómetro de estrada resta apenas um sentido Alvalade/Avenida Ho Chi Min.
Durante a ronda realizada pelo JE, Gerson Sobrinho, que recorre ao local para fazer serviço de táxi personalizado explicou que a situação é desoladora.
Desde engarrafamento, poeira e ausência de um lugar para estacionar marcam o dia-a-dia de quem frequenta o futuro espaço de lazer, em construção no distrito urbano da Maianga.
Por outro lao, Armando Baptista confirmou que as obras de construção do pequeno troço estão a cargo da construtora brasileira Odebrecht. Segundo disse, os homens e as máquinas trabalham, para concluir o tapete asfáltico mas, o resultado demora a chegar.
Para Kivungula Adão, pai de três filhos, busca o sustento da família no local, onde chega às oito horas da manhã para largar às 22 horas, frisou que a crise está a afectar o andamento das obras, ainda assim, apelou o redobrar dos esforços para se concluir.

Lojas e restaurantes já abriram
O JE sabe que, o projecto “Comandante Gika” foi concebido para quatro grandes empreendimentos, nomeadamente “Vip Grand Luanda”, “Alvalade Residence”, “Garden Tower” e “Luanda Shopping”.
O quarteirão que está a receber os empreendimentos ocupa uma área de aproximadamente 500 mil metros quadrados, tornando-se assim entre uns dos maiores projecto imobiliários do país.
No local está a ser construído um centro comercial com seis pisos, sendo três para estacionamento e o restante está reservado para lazer e entretimento.
Os pisos dispõem de aproximadamente 250 espaços para lojas de conveniência e lojas âncora. Além disso, dispõe igualmente de salas de cinema, restaurantes e cafés. Uma vez concluída vai gerar aproximadamente 10 mil postos de trabalho e um volume de negócios estimado em mais de 50 milhões de dólares por ano.
No espaço já está a funcionar o hipermercado Kero, que ocupa aproximadamente 10 mil metros quadrados de área comercial.
O estacionamento tem capacidade para albergar mais de 500 viaturas e cobra até 350 kwanzas por hora, se as compras forem inferiores a 2.000.
Além do hipermercado Kero, o espaço alberga também loja de roupas e calçados “Seaside”, bem ao lado da Caixa Tota.
No segundo “anel” do projecto imobiliário conta já com uma farmácia, uma perfumaria “Equivalenza”, Café, Medil, instituições bancárias equipadas com serviços de terminais de pagamento automático, que têm facilitado muitos utentes.
No espaço está instalada a Garden Café, que constitui a principal referência para quem procura por uma refeição nas duas torres do Gika.
Segundo Fernando Ramos, que frequenta o local, revelou que a acalmia e o aconchego fazem o cliente voltar várias vezes.
Com um total de 15 mesas, no espaço, a refeição é medida por peso. De segunda à sexta-feira abre as portas às 7h00 e fecha às 19 horas. Aos sábados, o espaço fecha mais cedo, às 12 horas. Bitoque, feijoada e sandes constituem os
pratos mais solicitados.