O governador da província do Cunene, Kundi Paihama, lançou, na passada sexta-feira, na localidade do Oipembe (Ondjiva), a primeira pedra para o início das obras de construção do complexo avícola, no âmbito das comemorações do 41º aniversário da Independência Nacional.
No acto, Kundi Paihama disse que a construção do aviário vai ajudar a suprir as necessidades que os munícipes têm enfrentado na aquisição de ovos nacionais, tendo louvado a iniciativa da empresa privada Gilmor por investir no Cunene.
Numa primeira fase, o projecto, financiado pelo programa “Angola Investe” terá duas naves compostas por 50 mil galinhas poedeiras e prevê produzir 45 mil ovos por dia.
Após a sua conclusão, prevista para princípios de 2017, de acordo com o responsável do projecto, Hermenegildo Acácia Leite, os ovos produzidos
pela avícola do Oipembe irão abastecer o mercado local e parte da região Sul do país.
Até 2017, período da conclusão do projecto, serão criados um total de 50 postos de trabalho.

Maior controlo
Recentemente, o director da Agricultura, Dinis Pedro Pacavira, informou que os produtos agrícolas e pecuários, que entram e saem através da fronteira Angola/ Namíbia, terão maior controlo, com abertura este ano, de um laboratório agro-alimentar.
Em declarações à Angop, acerca da actividade do sector, o responsável esclareceu que o laboratório já está construído e se localiza na zona fronteiriça de Santa Clara, 45 quilómetros a Sul de Ondjiva.
A infra-estrutura construída pelo Ministério da Agricultura está equipada com tecnologia de última geração e aguarda apenas pela sua inauguração.
Sem avançar o número de técnicos a laborar no estabelecimento, sublinhou que dispõe já de quadros devidamente formados na área.
Angola e Namíbia têm uma relação comercial intensa e o laboratório agro-alimentar fará toda a diferença para garantia da qualidade dos produtos importados e exportados entre os dois países que entram via terrestre através da fronteira com a província do Cunene