A implementação da II fase do Programa de Desenvolvimento Institucional no Sector das Águas (PDISA II), da cidade do Lubango, província da Huíla contará em 2019, com o financiamento de 80 milhões de dólares norte-americanos, a serem disponibilizados pelo Banco Mundial (BM).
Segundo a Angop, o projecto terá uma extensão de rede de 450 quilómetros para 50 mil ligações domiciliares e o aumento da reserva deste precioso líquido de quatro mil e 600 para 24 mil metros cúbicos.

Bairros beneficiários
De acordo com o presidente do Conselho de Administração da Empresa provincial de Águas e Saneamento da Huíla, Maria Domingas Chicusse, a iniciativa vai beneficiar populares residentes nos bairros da Mitcha, Nambambi, João de Almeida e Lalula, arredores desta urbe.
No quadro do apoio ao Governo em melhorar a qualidade e quantidade da água potável aos consumidores, está no fim a última fase “PDISA I”, iniciada em 2015.
A fase I contempla 140 quilómetros de rede e 20 mil ligações, das quais seis mil já foram feitas, nos bairros Comandante Cowboy, Nzaji, António Agostinho Neto e uma parte do bairro Mapunda.
A disposição de água potável nos bairros referidos, de acordo com Maria Chicusse, aguarda pelo aumento da produção, captação e a construção de mais reservatórios deste precioso líquido, pois, na falta desta intervenção “não se leva água à população como se pretende”.
A actual reserva, acrescentou, é bastante diminuta e o município da Humpata, que dista 22 quilómetros a Oeste do Lubango, tem todo o manancial para se pôr uma conduta e levar a água à população da urbe.
Com uma superfície territorial de 3.140 quilómetros quadrados, o município do Lubango tem uma população estimada em um milhão de habitantes.