O Ministério das Pescas e do Mar definiu como principal meta no presente exercício económico, aumentar de forma significativa a sua contribuição no Produto Interno Bruto (PIB) nacional.
Segundo a titular da pasta, Victória de Barros Neto, em Julho, na abertura do primeiro conselho consultivo alargado do seu Ministério, realizado no município piscatório do Soyo (Zaire), em Julho, sob o lema “Economia azul rumo ao desenvolvimento”, é necessário que se continue a apostar em políticas económicas visando contribuir para o aumento da produção, onde o Sector das Pescas tem um papel preponderante e crucial na geração de emprego e riqueza, além de se apostar na reabilitação das infra-estruturas de apoio à pesca e na produção do peixe seco para a exportação.
Na ocasião, pediu às empresas privadas do sector a retomarem a produção do peixe seco de qualidade para o consumo interno e também para a exportação, como acontecia na época antes e após a independência nacional em 1975.
Revelou que o peixe seco de Angola continua a ser muito solicitado por muitos, principalmente, países vizinhos como a RDC, o Gabão, Congo Brazzaville, históricos mercados deste produto de origem angolana.
Protocolo de cooperação
Um protocolo de cooperação, que visa a gestão sustentável do mar e do oceano foi assinado entre os Ministérios das Pescas e do Mar e do Ambiente.
As duas instituições acordaram em mitigar os impactos da variabilidade climática no ecossistema marinho, bem como o fomento da investigação marinha, troca de informação técnica e científica, bem como campanhas de investigação conjunta para a melhor governação e gestão integrada do uso do mar e do oceano.
O protocolo foi assinado pelas titulares das pastas da Pescas e do Mar, Victória de Barros Neto e do Ambiente, Paula Francisco, marcou as celebrações do Dia Mundial dos Oceanos.
Por outro lado, os Ministérios da Energia e Águas e das Pescas e do Mar assinaram nesta quinta-feira, em Luanda, um protocolo de partilha de dados sobre a utilização dos recursos hídricos, uma medida que visa proteger e valorizar mais os recursos hídricos nacionais.
O acordo, rubricado pelos titulares das pastas dos Ministérios da Energia e Águas e das Pescas e do Mar, João Baptista Borges, Vitória de Barros Neto, respectivamente, vai contribuir para o desenvolvimento da aquicultura, na gestão dos recursos hídricos e no estabelecimento de métodos eficazes para a gestão dos dois sectores.